Terça-feira, 26 de Abril de 2011

Mas afinal o que é que o governo governa?

 

cravo apartidário...

                       Cravo apartidário... (foto in Wikipédia)

  

A terrível e muitas vezes funesta complexidade da vida moderna faz com que, e cada vez mais, o cidadão comum se vá distanciando do que lhe dizem ser o interesse colectivo a que deve dedicar-se para se concentrar, qual náufrago desesperado, só em si mesmo, no seu próprio dia-a-dia e nas benesses imediatas que, em proveito próprio e exclusivo, vá conseguindo alcançar.

Faz bem? Faz mal? Farto-me de pensar e, não obstante frequentemente me venha à lembrança a frase “cada um por si!”, tantas vezes dita por verdadeiros responsáveis quando, em situações de desespero absoluto, se vêm impotentes para vencer a batalha que estejam a travar, confesso que não cheguei ainda a qualquer conclusão, muito embora, e pelo que vejo nas notícias, as estatísticas criminais me comecem a dar razão… a tão temida razão que os governantes e os governados conscientes tanto temem.

Ainda ontem e ao cidadão, os Presidentes chamaram a colaborar com a sociedade; a ter iniciativa e a ser empreendedor; a não temer o risco e a saber como o enfrentar.

Porém… como para tudo isto se precisará do eterno elemento propulsor que, para além do querer e da vontade, será o dinheiro e este é, por definição, extremamente volátil – mormente numa sociedade corrupta e de consumo, onde o "marketing" assume particular relevância na medida em que, insidiosamente vai instilando o veneno da paradoxal “necessidade desnecessária” que a muitos atinge e para o qual muito difícil será encontrar-se o antídoto adequado - fácil é que lhe possa escorregar um pé e que, por via disso, antes que se estatele, logo surjam a Banca e os banqueiros, com os seus infalíveis recursos e costumada intermediação, para, generosamente, o“reerguer”, a caminho do seu almejado sucesso por mil vezes e vozes afirmado!

Ora é precisamente aqui, na Banca e nos seus intermediários – tanto grandes FMIs como pequenos FMIs -  que surge o verdadeiro cerne da questão; que começa o torvelinho das preocupações e se iniciam as mais insólitas situações, a maior parte das quais, muitas vezes e por tal forma insanáveis e incompatíveis, chegam mesmo a matar o doente da cura!

E será este o caso do País actual, não do País miragem no qual vive Sócrates para quem, quer o que diz, quer o que faz, pouco importará nas suas consequências, sejam elas quais forem, desde que, entretanto, lhe hajam rendido dividendos de protagonismo e algumas “falas e fotos” nos jornais e na televisão.

Creio mesmo que hoje em dia, para Sócrates, tanto lhe faz que digam mal dele como que digam bem. O que lhe importará antes de tudo é que digam, que falem, que o não esqueçam. Que continuem a julgá-lo primeiro-ministro mesmo de um governo sem ministros, sem rumo e sem crédito moral – que do financeiro já nem sequer se fala!

É a lei do "marketing" que, aplicada à política, nos ensina que toda a publicidade, mesmo a negativa, não deixará de sê-lo e, como tal, de promover o produto, para baixo ou para cima, tanto faz, promove-o!...

E é olhando para tudo isto que o cidadão de que falávamos no início, mesmo quando incentivado pelos Presidentes, em lugar de tomar a iniciativa, de ser empreendedor e confiar no futuro, passa a ter todo o direito em quedar-se, sentado e em silêncio, e, timorato, - até quando? -  a começar a pensar: - mas afinal o que é que o governo governa?

Não serão necessários novos cravos para substituir os actuais, já murchos e que tanto já fedem de apodrecidos que estão?

Como alguém muito querido me lembrou já, fez ontem trinta e seis anos que, a esta hora, durante o "verão quente" e em Caxias, eu julgava estar a viver um engano...

 

publicado por Júlio Moreno às 10:58
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds