Quinta-feira, 28 de Abril de 2011

Mais uma mentira... só mais uma.

Sócrates, entrevistado há dois dias por Judite de Sousa, garantiu ter sido por ele e por sua exclusiva iniciativa, dado o estado a que viu chegarem as “contas” do País, que foi pedido o auxílio económico-financeiro ao exterior. Concluiremos daqui que, para tal pedido, o ministro das Finanças, Teixeira dos Santos não foi perdido nem achado.

Paradoxalmente – e talvez pela primeira vez na minha vida – acreditei e acredito em Sócrates.

Realmente, só a ignorância pacóvia de uma personalidade arrogante e totalmente deslocada no lugar que ocupa, confusa ao julgar, em paralelo e com iguais critérios, as pequenas operações domésticas - que a tanto, caso os tenha, se resumirão os seus conhecimentos de economia –  que muito desonrarão, quanto ao seu inquestionável e boçal critério, quem as pede, e que não distingue das grandes opções político-económicas dos estados que entre si permutam não só decisões como também estímulos e apoios económicos, poderia concluir tal disparate!

 

Sobre o assunto se pronunciou uma personalidade acreditada na sociedade portuguesa e no mundo profissional a que pertence e que vem referida na Transcrição da “Agência Financeira” do IOL de 26 de Abril de 2011 que passamos a incluir:

 

«Teixeira dos Santos é que forçou pedido de ajuda»

“Economista Daniel Bessa diz que ministro das Finanças não é nenhum tolo, disse o que tinha a dizer e só não pediu resgate mais cedo porque não o deixaram - PorRedacção  PGM  - 2011-04-26 21:17

“O economista Daniel Bessa acredita que foi o ministro das Finanças, Fernando Teixeira dos Santos, quem forçou o pedido de ajuda externa de Portugal.
“O ex-ministro do Governo de António Guterres lamenta, em entrevista ao programa «Terça à Noite da Rádio Renascença, que a decisão não tenha sido tomada há muito tempo.
“«Nunca falei com o professor Teixeira dos Santos sobre esta questão do timing da agenda. Mas conheço-o há 40 anos e não tenho a menor dúvida de que ele teria preferido actuar antes», diz.
“«Para uma pessoa comum, bem preparada e com bom senso, ele disse o que tinha a dizer. 7% era um sinal de alerta», afirmou o economista, fazendo alusão à entrevista dada pelo ministro das Finanças há vários meses, onde afirmava que, quando os juros da dívida pública atingissem a barreira dos 7%, esse poderia ser o patamar que forçaria Portugal a pedir auxílio, porque não seriam sustentáveis por muito tempo.
“Teixeira dos Santos foi várias vezes criticado por ter proferido essas afirmações, acusado de ter precipitado o pânico dos mercados quando os juros atingiram essa fasquia. Mas para Daniel Bessa, as coisas não são bem assim. «O professor Teixeira dos Santos não é nenhum tolo, é uma pessoa que anda nisto há muito tempo, disse o que tinha a dizer e pode ter sido ingénuo à luz dos critérios que se usam normalmente na política. Eu acho que ele fez muito bem e acho que ele tinha razão», conclui””.

 

Ora, como o economista Daniel Bessa é, como já acima referi, pessoa por toda a gente reconhecida como idónea, séria e digna e se permite dizer o que acima se transcreveu só poderemos concluir que acabamos de saber de mais uma das quotidianas – não deve tardar muito em que passem a horárias – mentiras do ainda nosso primeiro e que, pelo andar da carruagem, ainda promete vir a dar-nos muitas mais dores de cabeça!

Que tristeza! Que vergonha para o Povo português e para Portugal!

O País não pode esperar que seja a História a julgá-lo. Tem julgar, e já, nos Tribunais comuns a Sócrates e a sua “entourage”.

publicado por Júlio Moreno às 12:25
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds