Sábado, 30 de Abril de 2011

10 ESTRATÉGIAS DE MANIPULAÇÃO ATRAVÉS DA COMUNICAÇÃO SOCIAL

Felizmente que tenho Amigos que me vão pondo a par de certas correntes de pensamento que muito servirão para melhor se compreender o que se passa no mundo na hora actual e muito especialmente no momento em que são manifestas as convulsões ideológicas e políticas do País, a criar o mal estar que todos conhecemos e que agora culmina com a intervenção do FMI.

É, pois, nestas circunstâncias que não resisto a transcrever hoje, na íntegra, o mail que há dias recebi.

 

Segue a transcrição:

 

“10 ESTRATÉGIAS DE MANIPULAÇÃO ATRAVÉS DA COMUNICAÇÃO SOCIAL

 

“Noam Chomsky (norte-americano, linguista, homem de esquerda…) sintetizou e elaborou uma lista com “10 estratégias de manipulação” através da comunicação social. Nestes tempos que correm em que, como alguém já afirmou, os portugueses estão sujeitos a duas “troikas”, uma que impõe (FMI-UE-BCE) e outra que aceita (PS-PSD-CDS), é bom lembrar. Assim: 

“1.      A ESTRATÉGIA DA DISTRACÇÃO - O elemento primordial do controlo social é a estratégia da distracção que consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e das mudanças decididas pelas elites políticas e económicas, mediante a técnica do dilúvio ou inundações de contínuas distracções e de informações insignificantes.

“2.      CRIAR PROBLEMAS, DEPOIS OFERECER SOLUÇÕES - Este método também é chamado “problema-reacção-solução”. Cria-se um problema, uma “situação” prevista para causar certa reacção no público, a fim de que este tenha a percepção que participou nas medidas que se pretende fazer aceitar.

“3.      A ESTRATÉGIA DA GRADAÇÃO - Para fazer que se aceite uma medida inaceitável, basta aplicá-la gradualmente, a conta-gotas, durante anos sucessivos.

“4.      A ESTRATÉGIA DO DEFERIDO - Outra maneira de fazer aceitar uma medida impopular é apresentá-la como sendo “dolorosa e necessária”, obtendo a aceitação público, no momento, para uma aplicação futura. É mais fácil aceitar um sacrifício futuro do que um sacrifício imediato.

“5.      DIRIGIR-SE AO PÚBLICO COMO SE DE CRIANÇAS SE TRATASSEM - A maioria da publicidade dirigida ao grande público utiliza discurso, argumentos, personagens e entoação particularmente infantis. Assim, por sugestão, há maior probabilidade de a resposta ou reacção ser mais desprovida de sentido crítico.

“6.      UTILIZAR MUITO MAIS O ASPECTO EMOCIONAL DO QUE A REFLEXÃO - Fazer uso do discurso emocional é uma técnica clássica para causar um curto-circuito na análise racional e pôr fim ao sentido crítico dos indivíduos.

“7.      MANTER O PÚBLICO NA IGNORÂNCIA E NA MEDIOCRIDADE - Fazer com que o público seja incapaz de compreender as tecnologias e os métodos utilizados para o seu controlo e escravidão. É necessário manter, através da qualidade dada às classes sociais inferiores, uma distância larga em relação às superiores, de forma a que a mesma seja impossível de eliminar.

“8.      ESTIMULAR O PÚBLICO A SER COMPLACENTE NA MEDIOCRIDADE - Promover no público a ideia de que é natural ser-se estúpido, vulgar, inculto.

“9.      REFORÇAR A REVOLTA PELA AUTOCULPABILIDADE - Assim, ao invés de se revoltar contra o sistema económico, o indivíduo autocritica-se e culpabiliza-se, o que gera um estado depressivo, do qual um dos seus efeitos mais comuns é a inibição da acção. E sem acção não há revolução.

“10.   CONHECER MELHOR OS INDIVÍDUOS DO QUE ELES MESMOS SE CONHECEM -Graças à biologia e à psicologia aplicada, o sistema tem desfrutado de um conhecimento avançado do ser humano, tanto física como psicologicamente. O sistema tem conseguido conhecer melhor o indivíduo do que ele mesmo se conhece. Isto significa que, na maioria dos casos, o sistema exerce um controlo maior e um grande poder sobre os indivíduos do que estes sobre si próprios.

“Estas estratégias encontram um terreno particularmente fértil, devido à existência do que considera um viés sistémico dos meios de comunicação social, explicando-o em termos de causas económicas e estruturais. O modelo mostra que esse viés deriva da existência de cinco filtros que todas as notícias precisam ultrapassar antes de serem publicadas e que, combinados, distorcem sistematicamente a cobertura das notícias pelos meios de comunicação. Ei-los:

“1. O primeiro filtro - o da propriedade dos meios de comunicação social - deriva do facto de a maioria dos principais meios de comunicação pertencerem às grandes empresas e grupos económicos.

“2. O segundo - o do financiamento - deriva do facto de os principais meios de comunicação social obterem a maior parte das receitas não dos seus leitores mas de publicidade (que, claro, é paga pelas grandes empresas). Como os meios de comunicação são, na verdade, empresas orientadas para o lucro a partir da venda do seu produto (os leitores) a outras empresas (os anunciantes) as notícias acabam por reflectir os desejos, as expectativas e os valores dessas empresas.

“3. O terceiro filtro é o da forte dependência dos meios de comunicação social das grandes empresas e das instituições governamentais como fonte de informações para a maior parte das notícias. Isto também cria um viés sistémico contra a sociedade.

“4. O quarto filtro é a crítica realizada por vários grupos de pressão que procuram as empresas dos meios de comunicação para pressioná-las, a fim de adoptarem a linha editorial que esses grupos considerem a mais correcta.

“5. As normas da profissão jornalista são o quinto filtro, pois referem-se a conceitos comuns repartidos por aqueles que estão na profissão do jornalismo.

“Novidades: poucas, claro! Mas, na verdade, isto está tudo ligado!””

publicado por Júlio Moreno às 13:42
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds