Quarta-feira, 22 de Junho de 2011

O "Livro de Reclamações”

 

            Um livro (in Wikipedia)

 

Confesso-me um pouco confuso e, sobretudo, quase falido da substância com que vinha alimentando ultimamente este blog: - a crítica política dos constantes desmandos do finado governo no que muito particularmente me ajudava a postura, sempre sapiente e arrogante, do “despedido” (pelo Povo, entenda-se) seu último chefe. Na verdade o “engenheiro” Sócrates quase que me faz falta!... “E esta heim”?, diria o saudoso Fernando Peça.

Bom, mas perante os factos e porque escrevinhar sempre me distrai, há que encontrar novas razões e, sobretudo, novas “motivações” para que este hábito em mim tão enraizado se não extinga.

Assim, e como há tempos fiz num restaurante onde me foi servida – a preço módico porque para mais não dariam as minhas já muito difíceis poupanças do trimestre – uma belíssima refeição acompanhada por um esmerado e atento serviço de mesa, tudo isto num modesto restaurante de bairro, no final chamei o empregado que me atendia e lhe pedi, perante o seu ar do mais completo espanto, o “Livro de Reclamações”.

- Não gostou… não estava bom? – perguntou-me ele então, entre o medroso e o perplexo.

- Pelo contrário – lhe respondi. Quero o livro para nele deixar descrita não só a belíssima qualidade da refeição que acabo de tomar, muitíssimo bem confeccionada e cuidadosamente apresentada, como também o esmerado a atento serviço com que o senhor ma proporcionou. - Sabe? - acrescentei, é que eu sou um dos que pensam que o “Livro de Reclamações” não foi criado para nele se escrever só o que está mal mas sim e também o que está bem, como é o caso…

E foi o que efectivamente fiz operante o estupefacto empregado ao qual se veio juntar depois o gerente do estabelecimento a quem este foi pedir o respectivo livro.

Ora, está a parecer-me é que será mais para dizer bem do governo, e, sobretudo, do seu primeiro responsável, cujo discurso de há muito venho acompanhando atentamente, que este blog irá ser usado no futuro.

Mas o que me está causando alguma apreensão é o facto de estar a sentir que é bem mais fácil “criticar” pela maledicência do que ter de fazê-lo pelos motivos contrários… Coisas, afinal, da democracia e da falta de jeito de quem, como eu, se arroga no direito de vir aqui escrever em público.

A quem me leia, desde já as minhas desculpas pelo que vier a acontecer.

 

publicado por Júlio Moreno às 17:48
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De contoselendas a 23 de Junho de 2011 às 07:48
Olá. O acto de crítica sempre foi mais fácil do que o do elogio.A cultura em que estamos inseridos louva a critica em detrimento do elogio. Estamos numa sociedade com medo de expressar os seus sentimentos onde pensar é um acto esquecido. A critica necessariamente não tem de ser negativa e destrutiva, como é habitual nesta nação à beira mar plantada. Existe a critica que obriga a um raciocínio que a critica destrutiva não necessita. Pode-se fazer critica construtiva a onde existe espaço para dialogo.

Abraços

Contoselendas


De Júlio Moreno a 23 de Junho de 2011 às 17:47
Atento como sempre. Obrigado. Um abraço.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds