Sexta-feira, 6 de Abril de 2012

Reflexões da terceira idade

Estranhamente são as pessoas que menos ou muito poucas razões teriam para me estarem reconhecidas que mais o estão e, inesperadamente, assim mo vêm demonstrando! Inversamente, aquelas que, em meu entender, alguma obrigação teriam em fazê-lo, são as que mais me votam ao esquecimento, alheando-se de mim, talvez até do que para elas represento, ou deveria representar, fazendo-me desde já antever o que ocorrerá com elas após a minha morte! E são negros presságios estes já que não é numa prateleira que me põem – como soi dizer-se – mas é mesmo dentro de um armário!...


Não é que a morte me assuste, não assusta. Tenho, quanto a ela, como já aqui há tempos confessei, alguma curiosidade até pois acredito em Deus e na vida numa outra dimensão, fora da temporalidade que, dia a dia e por mercê do "homo sapiens", nos esmaga e asfixia roubando-nos aquilo para que teremos sido criados e que seria toda a alegria de viver e bem-fazer além de toda uma imensa gratidão por estarmos vivos e poder sentir.


Na morte o que me atemoriza, confeso-o, é o sofrimento que possa ter de passar para a atingir e, se esta surgir de repente e sem aviso, o sofrimento que, por isso mesmo, sem que tenha havido tempo antes para a sempre necessária preparação, ela possa causar àqueles que, na verdade, me amam e que, por alguma forma, durante a vida – esta tão curta e simultâneamente tão longa vida!- sempre me manifestaram o seu carinho, o seu amor e a sua preocupação e que me irão certamente recordar com saudade não me deixando morrer nas suas memórias e nos seus corações pelo menos enquanto estes também baterem…


São reflexões deste tipo que hoje preenchem o meu quotidiano, sobretudo quando me vejo ao espelho, a barba cada dia mais branca, crescendo inexorávelmente e indiferente à disposição com que me encontro ou às vezes em que a faço, ou ainda quando, debruçado sobre esta janela mágica para o mundo que o meu computador e a internet me proporcionam, consulto o extracto da minha magra conta-reforma, sempre atento às necessárias despesas a que o simples acto de viver me obriga dentro deste turbilhão desvairado dos milhões que hoje devemos, ontem nos emprestaram e amanhã teremos de pagar, coisas de que os políticos de hoje tanto se entretêm em falar.

 

Sei que não vem a propósito mas penso, por isso, que para se ser político é necessário, em primeiro lugar, ser-se sado-masoquista pois só assim se comprenderá a sanha que todos têm de sofrer as agruras da governação, em segundo lugar, ser-se desempregado de longuíssima duração e, em terceiro e último lugar, ter-se perdido todo e qualquer sentido de humanidade e de Justiça com que Deus sempre nos dota no acto do nascimento - a consciência…


“Cogito ergu sum” ou melhor: “pensando vou vivendo”…

publicado por Júlio Moreno às 15:04
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds