Quinta-feira, 26 de Abril de 2012

A actual democracia portuguesa

Perante o que diàriamente venho observando, interrogo-me sobre a questão de saber a quem mais aproveitará o sensacionalismo noticioso hoje permitido em Portugal - leia-se exageradamente permitido - apoiado que é por uma Justiça complacente, dir-se-ia mesmo que timorata e manifestamente inoperante e cuja inoperância vem sendo insistentemente aproveitada por quantos não vêem no que se passa a “sua” democracia – observe-se neste 25 de Abril o comportamento “birrento” de Mário Soares, do desertor-poeta Alegre e do redondo senhor presidente a quem o velho e desaparecido jornal “O Tempo”, pela sarcástica pena de Manuel de Portugal, apelidava então, com graça e oportunidade, de D. Lourençote da Melena e Pá e, no passado recentíssimo, a total impunidade das gravíssimas declarações de um dos auto-proclamados donos do País: - Otelo!


Mas a quem mais aproveitará este estado actual da própria Nação, aturdida que estará com o que se vem passando e sem conseguir vislumbrar o Norte constantemente apontado por outras tantas iluminadas cabeças que descobriram a mágica poção curativa mas que, aqui para nós, insitem em não a revelar a ninguém?!…


E é assim mesmo que neste velho país onde, pobre e alegremente, a grande maioria do Povo está saturado de índices, de gráficos, de análises e comentários, não obstante continue sem quaisquer indícios palpáveis de aculturação, se tem vivido uma muito jóvem e ainda muito pouco esclarecida e consolidada democracia – o tal mal menor de que falava Churchil nos Comuns – que eu sou levado a concluir que a quem mais interessará este estado de coisas, este desnorte mesclado do atávico pessimismo nacional será ao cada vez mais acentuado e irresponsável sensacionalismo de um pseudo jornalismo, arvorados que estão, alguns dos seus profissionais, em criteriosos relatores-cronistas desta comédia política que vivemos – creio que nos outros países algo de semelhante se passará – a quem mais aproveitará, dizia, será precisamente aos “media” do actual progresso - televisivo em primeiro e destacado lugar - que quanto mais aproxima as nações mais vem afastando os povos, retirando-lhes a identidade e proclamando uma fraternidade negocial onde sobressai um novo imperialismo consumista que só a poucos aproveitará e, dentre estes também, aos novéis politólogos que, enfaticamente nos lêm a sina, nos traçam perfis e, grosseiramente, nos esboçam o carácter analisando o presente e vaticinando o futuro!


Uma tristeza!...


Mas, como nem tudo é mau, eis que vai surgindo assim, diariamente e para muitos, a oportunidade de, sob o tal rótulo de jornalista, “noticiar”, com total impunidade e muito despautério, bem ao jeito de cada um, a notícia que vai tendo entre mãos e que muito raramente corresponde à verdade factual e se não destina a acalmar e a tranquilizar a opinião pública, antes e bem pelo contrário, a pretendendo desnortear, exaltar e mobilizar negativamente.


E assim é que eu, procurando informar-me, manter-me actualizado e acompanhar as pequenas “ditas” e “desditas” do Povo a que pertenço, beneficiando deste prodígio de técnica e modernidade que é a televisão e que os meus tempos de menino me recusaram, salto de “canal” em “canal” e, escorregando pela desentupida canalização de que vou dispondo, dou frequentemente comigo a ver os desenhos animados que são os que melhor me ilustram certas circunstâncias do quotidiano desta nossa vida nacional e tão gloriosamente democrática…

publicado por Júlio Moreno às 14:40
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds