Sábado, 28 de Abril de 2012

O que percebo de futebol…

O que percebo de futebol e nada é a mesma coisa. Porém, por vezes e à falta de melhor entretenimento da TV ou de um novo livro para ler – os que tenho comigo já os li, reli e voltei a ler ao ponto de quase poder, deles, referir algumas frases completas e, o que é mais difícil, muito mais difícil mesmo, a página em que se encontram escritas! – dou comigo a ver alguns rapazes a correr, desconchavadamente alguns, atrás de uma bola o que me faz recordar aquela história da velhota inglesa que, tendo visto um desafio pela primeira vez na vida e ao ser-lhe perguntado se havia gostado, respondeu que sim mas que, por ela, seria muito melhor de dessem uma bola a cada um em vez de andarem todos a correr atrás da mesma!


Mas vamos ao tema que escolhi para “blogar” hoje e que me parece ser coisa séria e a dar que pensar aos cérebros priviligiados que administram essas competições futebolísticas onde, infelizmente, alguns jóvens têm morrido ultimamente, fulminantemente atingidos por irremediáveis paragens cárdio-respiratórias. Têm morrido e, quanto a mim, ingloriamente já que todo o esforço com que se empenharam e que lhes terá roubado a vida é, afinal, coisa de somenos uma vez que se poderia decidir o vencedor por “penalties”, que o mesmo será dizer por moeda ao ar e convertendo-se aquilo a que se convencionou chamar desporto a um mero jogo de fortuna e azar!...

 

Vem isto a propósito do tristíssimo espectáculo que tive a oportunidade de ver durante cento e vinte e tal minutos, o Real Madrid – Bayern de Munique, e que, tendo sido decidido por “penalties”, alguns dos quais estrondosamente falhados por jogadores experientes e que não erram mas que, por uma manifesta falta de “sorte” (o azar e a sorte!), chutaram a bola para o lado, para o ar ou para a mãos de um guarda-redes a quem terá saído, e a esse com propriedade e verdade, na lotaria, uma verdadeira bola de ouro!

 

É triste, é feio! Direi mesmo que é fazer pouco de tamanho esforço feito por campeões e magos da bola que exaustos, com a saúde diminuída, quando não em acelerado risco da própria vida, decidir assim das consequências objectivas de um tamanho esforço feito! Ganhou lo Bayern! A moedinha foi-lhe favorável…

 

Proponho, assim, que para futuro e a não ser aceite a proposta que adiante faço, os campeonatos desportivos de façam por uma espécie de plebiscito (até para ver se deste modo os plebiscitos passam a servir para alguma coisa!), por um totobola com os respectivos 1 – X – 2; alternativamente, verificado o empate após o prolongamento, novo jogo fosse realizado nos dias imediatos (número de dias a fixar) e em campo neutro. Caso persistisse o empate ambas as equipas fossem declaradas vencedoras do troféu em disputa. Mas isso da moeda ao ar, isso é que não por tão vergonhoso que me parece ser.

 

Deste modo se alcançaria a pretendida “verdade desportiva” e se poupava muito com a redução de comentadores desportivos e dos respectivos salários e os fins de semana poderisam ser passados mais descansadamente, sem distúrbios de “claques” e na plácida e merecida mansidão da pesca!

 

Mas que tenho eu a ver com isto? E porque não perco esta mania de me meter onde não sou chamado?

publicado por Júlio Moreno às 13:31
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds