Sábado, 2 de Junho de 2012

Hello!... “Rock in Rio”?… Daqui fala o velho…


Não tenho, nunca tive e disso tenho imensa pena, qualquer jeito para a música!


Minha adorada mãe compensava o que de mau tinha em termos musicais, sobretudo quando esboçava cantar (o que generosa e conscientemente evitava!) com uma capacidade rara de conversar e de se interessar por todos os assuntos do momento, que discutia com brilho e competência , enquanto que meu pai, para além de médico distinto e disputado em pareceres técnicos para os quais era frequentemente solicitado por colegas (nessa altura não existiam os poderosos meios auxiliares de diagnóstico dos nossos dias e estes eram feitos com a ponta dos dedos, a auscultação, a observação cuidadosa dos pacientes e, num caso ou noutro, com as radioscopias e os raios X, - daí as conferências médicas), cantava maravilhosamente e, segundo consta, quando estudante de medicina no Porto, não seria raro vê-lo, a ele e a mais três colegas, alancando com um piano pesadíssimo no qual meu pai, de ouvido, e para animar as festas que então realizavam, tocava as modinhas mais em voga e que tivessem o mérito de juntar a raparigas mais voluntariosas e… - atenta a moralidade da época! – mais destemidas.


Em Carvalhelhos, onde no verão era médico, pois era Director-Clínico da Estância, era ouvi-lo - depois da luz se ter apagado - o que sempre acontecia quando o senhor Serafim desligava o motor quinze minutos depois do convencional aviso de tres breves interrupções e quebras de voltagem – rodeado por um grupo de raparigas novas, em noites de lua cheia, ao luar, lindíssimo naquele ambiente serrano, sem poluição e a setecentos metros de altitude, a ensair e a cantar com elas as modinhas polpulares locais como aquela que dizia: -“eu tenho quatro namoros, ó digo dai, digo dai, dai, dai… com todos me rio e brinco… “, “ o meu amor diz que vinha, diz que vinha mas não veu…” (me não recordo já do resto) ou outras mais conhecidas como a “saia da Carolina tinha um lagarto pintado…


Pois bem, quis Deus que, em termos musicais, eu herdasse um pouco de ambos: - de minha mãe a mais completa incapacidade para cantar e reproduzir o que no meu íntimo ouço, sobretudo quando em Coimbra onde algumas vezes acompanhei, a fazer número, o Luis Goes nas belíssimas serenatas que fazia e o que muito me tem desgostado ao longo da vida – e de meu pai um certo ouvido que me faz perceber com bastante nitidez o que é afinado daquilo que o não é…


Mas vem este arrasoado a propósito da justíssima “queixa” que acabo de receber de uma particular amiga minha de Lisboa que me diz ser impossível o descanso com o festival “Rock in Rio” cuja barulheira ensurdecedora tem o condão de incomodar enormemente quem tem a pouca sorte de residir nas imediações do local onde ele se realiza ou onde chega o "tsunami" sonoro que este provoca (o “heavy metal” que nada tem hoje a ver com a sua origem).


Na verdade – e creio que os mais velhos, como eu e não só, concordarão comigo – a música actual resume-se a uma série de ruídosos instrumentos, cujo som, que não melodia, sendo avolumadíssimo por obtusas aparelhagens electrónicas, perturba inclusivé as próprias estruturas dos prédios que pelas suas ondas sonoras são atingidos! E isto, este inferno por que certas zonas de Lisboa estão neste momento as passar, é completado popr uma multidão ululante de jóvens cada vez mais surdos e que, colectivamente drogados por uma vida sem futuro, julgam ver naqueles tristíssimos espectáculos a miríade da sua felicidade terrena.


Paralelamente, à edilidade Lisboeta, alheia ao real bem-estar dos seus munícipes, o infausto acontecimento vem rendendo alguns milhares de euros.


Esforço-me por acompanhar a actualidade, até porque, sendo avô, sinto nisso alguma responsabilidade, mas recuso-me a pactuar com as autênticas imbecilidades que tais espectáculos hoje, hoje tido como expoentes máximos do salutar divertimento colectivo, sobejamente patenteiam.

publicado por Júlio Moreno às 16:56
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds