Segunda-feira, 17 de Setembro de 2012

Uma reflexão de segunda-feira

Desde há bastante tempo que venho observando Paulo Portas e a sua forma de estar na política.

Desde há muito que venho observando o partido que dirige e olho com suspeição desde que o seu ex-Presidente, e bem conhecidos elementos outrora dominantes, batendo ou não os calcanhares, deram meia volta e decidiram prosseguir em direcção quase diametralmente oposta!

Não me agrada muito nem nunca me agradou.

Paulo, desde os seus tempos de “O Independente” e ao contrário de seu irmão Miguel  – a quem aproveito para aqui render postumamente a minha homenagem como homem e político que foi e que nunca me pareceu sinuoso ou incoerente nas convictas posições que tomava -  tem, a meu ver, esse mau hábito de parecer dúbio e de nunca ter deixado de ser o mesmo “enfant terrible” que foi durante as variadíssimas situações equívocas, diria mesmo que nebulosas, em que se enredou ou deixou enredar ao longo do seu ambicioso percurso político - isto a fazer fé no que, sobre si, leio na Wikipédia Portuguesa.

A mãe de ambos, Helena Sacadura Cabral, professora universitária, economista, jornalista e senhora de uma cultura superior, de uma graça e boa disposição contagiantes, pelo que julgo saber, trataria a ambos por igual. Porém, secretamente, estou em crer que o seu coração penderia para o Miguel que já partiu não sem lhe ter dado o prolongamento de si mesmo através dos netos André e Frederico.

Paulo Portas choca-me pelo que julgo ser a dúbia intencionalidade dos seus movimentos ao longo da sua vida pública, nomeadamente quando, utilizando os mais diversificados estilos, predominantemente de chapéus, se move por entre as bancas das feiras recebendo as beijocas das feirantes e onde tanto gosta de aparecer como que buscando aí o protagonismo por que luta há décadas mas que não logrou ainda alcançar mais do que por efémeros e muito curtos períodos.

Ao mesmo tempo interrogo-me sobre o que se terá passado entre Paulo Portas e Esteves Cardoso a quem, como amigo e co-fundador das desaparecidas “Farpas” modernas, nunca mais vi junto de si! Ignoro-o, mas confesso que muito gostaria de saber. Mero desencontro? Engano meu? Não sei mas confessdo que gostaria de saber.

Mas adiante que o que me leva hoje a escrever esta brevíssima reflexão é o momento político que se vive e o esboço de crise que já se vislumbra e que os jornalistas, - os do costume, os que temos! – quais abutres na mira da ambicionada presa, em parte por si criada mas muito principalmente por si desenvolvida, e já julgam ter agarrado para não largar a menos que lha tirem pela força e através da “censura”, que não há, com um lápis azul e encarnado, que já não existe, mas que poderá voltar a fazer a sua aparição.

E se assim for, o que bem poderá acontecer se a liberdade, tal como ontem escrevi, não for entendida e respeitada bem dentro dos seus conhecidos limites, é que esta se volatilize após uma explosão cujos reais efeitos se não ignoram mas que todos devemos desejar não vir a conhecer.

 Todos? Pode ser que não. Exceptuaria aqueles que, de uma forma ou de outra, não tiveram nem têm o discernimento necessário para saber que é sempre perigoso tirar-se um brinquedo a um menino mimado e habituado a continuar impune após as suas useiras e vezeiras travessuras.

publicado por Júlio Moreno às 22:57
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De contoselendas a 18 de Setembro de 2012 às 12:42
Estamos perante o maior ilusionista do espetro politico-circense. Um politico tem de se um bom intérprete da arte de representar na politica atual -sem ideologias, sem valores – basta-lhe ser um bom “artista”. Tivemos num passado recente um grande malabaristas o dr. Durão Barroso - que arranjou antes de terminar o mandato o trampolim desejado para um “tacho” mais apetecível. Como é possível alguém acreditar no sr. Portas depois de todo o seu passado. Será para fazer um passeio de submarino?!

Abraços,

Contoselendas


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds