Domingo, 4 de Novembro de 2012

Chegou a hora...

Cresci, poderei dizê-lo hoje. pensando que os Estados Unidos eram o País mais maravilhoso do mundo isto não obstante os Al Capones que por lá havia mas que eu sempre considerei ser a natural aberração que existem em todas as coisas viventes!

 

Li e reli toda a história daquele p´Povo que idolatrava - influência, por certo, das grandiosas produções de Hollywood e da extraordinária beleza e comodidade dos seus carros que, por cá, só os ricos tinham e a prova disso é que, já homem, chefe de família e com outras responsabilidades que não valará a pena recordar aqui, não resisti à tentação de eu mesmo possuir um, comodíssimo, silencioso e tão espaçoso que me permitia libertar a prole no banco de trás sem qualquer receio - era só de duas portas - mas que fazia a gracinha de gastar um depósito de combustível - 55 litros - numa ida e vinda de Guimarães ao Porto num total de pouco mais do que 150 Km., isto contando com as voltinhas que por lá dava.

 

Fascinavam-me figuras como Washington, Lincoln e, mais, recentemente Rosevelt, Eisenhower e Kennedy. Com avidez procurava as biografias dos generais Mac Arthur e Paton cujas carreiras militares segui com confessada inveja.

 

Pulei de contentamento quando o Presidente Obama foi eleito e, mesmo conhecedor dos KKK e do que alguns conservadores faziam no Congresso e do  modo como certas fortunas foram fabricadas, acreditava no Povo, na sua organização e no seu querer democrático e com as classes sociais apenas definidas pelo mérito e pela honestidade e não pelo nascimento e pela ilicitude, fui seguindo a sua promissora e aliciante carreira por ver que os States continuavam sendo o que eu um dia sonhara!

 

O primeiro sinal de alarme surgiu-me quando li "As vinhas da Ira" de John Steinbek e tive a infelicidade de ver emigrar para lá uma família de quem gostava e que gostava, sobretudo, de que, não obstante a distância que nos separava, continuasse minha amiga...o que, felizmente se veio a verificar...

 

Foi o destino que quis, porém, que as relações que julgara quase perdidas por distantes que se mostravam, de súbito de reavivassem e de uma forma que nunca teria podido imaginar.

 

Comecei então a conhecer os verdadeiros States as as autênticas barbárias que por lá eram cometidas em nome da civilização e do pseuso bem estar que só alguns haviam comquistado! Umn documentário que passou aqui na nossa televisão mostrou-me Detroit, a meca da indústra automóvel, como uma cidade fantasma, parcialmente em ruinas, deserta e com as paredes imundas cobertas de grafitis conspurcantes e bem reveladores de uma mentalidade vazia, descrente, vencida, drogada e bem diversa daquela que eu um dia imaginara.

 

Não queria acreditar. Porém o testemunho insuspeito de alguém a quem confiaria a propria vida veio mostrar-me que quem não tem dinheiro morre na via púbica porque os hospitais se recusam as recebê-los, que os exames médicos, sejam eles urgentes ou não, são avaliadas e decididos em ultma instancia por burocratas de secretária que, representando as suas seguradoras, decidem se o doente pode ou não fazer o exame médico, a intervenção cirúrgica ou beneficiar do internamento de que carece pois a saúde é medida pelo "deve e hever" das contas das seguradoras que por toda a parte polulam no fértil manancial de negócios escuros que o Congresso lhes permite.

 

O presidente Obama quis e quer acabar com isso e confio em Deus que neste segundo mandato conseguirá o seu desiderato e exterminará as ratazanas que, como Romney, tudo tentam para não perder os privilégios de que desde sempre e perante a passividade do Povo vêm usufruindo.

 

"God save Anérica" e Barak Obama consiga terminar os fins a que se propôs, vencendo esses mormons que nunca ninguém soube verdadeiramente o que eram, para onde iam e o que, na verdade querem!

publicado por Júlio Moreno às 01:51
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds