Terça-feira, 8 de Janeiro de 2013

Frases em que tenho pensado e que darão que pensar...

 

Também amou e soube amar...

(Christine Garnier e Salazar no Vimieiro)

 

 

Já de há muito que conhecia estas frases proferidas – e sobretudo pensadas – por um grande homem político, inteligente jurista e professor catedrático fiscalista e financeiro (não "honoris causa") que, durante mais de 4 décadas, serviu isentamente a Nação como Presidente do Concelho de Ministros e a quem hoje todos atiram pedras mas que, mesmo depois de morto, ainda continua a suscitar ódios, cobiças e receios aos covardes que, no seu tempo e na sua maioria ocultos, surgem hoje como heróis à luz do dia ao ponto de se oporem à estátua justamente planeada pela autarquia para a terra onde nasceu, e que, a cada dia que passa, mais se distancia da mediocridade dos que no poder lhe sucederam.

 

É certo que usou alguns métodos e processos que se poderão, e deverão, considerar condenáveis, (embora vulgares em política, sobretudo no seu tempo), mas o que nunca ninguém poderá dele dizer é que não foi um patriota e, sobretudo, um dos homens políticos, mais lúcidos e mais emergentes do seu tempo, que soube manter a neutralidade do País e muito provavelmente preservado a vida de alguns milhares de portugueses, face aos terrores das duas guerras que eclodiram no seu tempo, a primeira na vizinha Espanha e a segunda que durante 6 longos anos alastrou pelo Mundo, e que não enriqueceu à custa do povo que, por tão largos anos, governou!

 

Competente, sóbrio e humilde já tenho muitas vezes ouvido suspirar por ele aos indigentes com quem me cruzo na rua; e não só a estes mas aos mais medianos – os da classe média e dos funcionários públicos - e que, nos intervalos dos sacrifíIcios económicos, familiares e não só – os que perderam filhos no Ultramar! – supremos sacrifícios que fizeram que souberam suportar acabando sempre dizendo que dantes viviam muito melhor e se vangloriavam de nada dever a ninguém!

 

São dele as frases que se seguem, em que muitas vezes penso e que muito me fazem pensar sobretudo quando em paralelo com as que actualmente se ouvem aos mais proeminentes políticos da nossa praça, excessivos (em número!) e ditos dignos representantes do nosso Povo (que a maqioria não conhece ou sequer ouviu falar!) na Assembleia – metade, com mais cultura geral e política, mais experiência e, sobretudo, mais educação, bastariam! - , e onde ilustres senhores Deputados trocam os “VV” pelos “BB” e dizem “interviu” por “interveio”, além de outras “calinadas” de chumbo certo na antiga 4ª classe!...

 

Eis algumas das frases que antes referi:

 

-“Não discutimos Deus e a virtude. Não discutimos a Pátria e a sua longa história; não discutimos a Autoridade e o seu prestígio”. (Salazar, 1936)

“Manda quem pode, obecede quem deve”. (Salazar)

“Não, não é preciso usar da violência, somos um povo de brandos costumes. Aqui, para governar, um safanão a tempo é quanto basta”. (Salazar)

“Os britânicos protestam e eu também passo a vender-lhes volfrâmio e estanho. Bem sei que isto vai ter de parar um dia, ou vendo para um lado ou vendo para o outro. Mas enquanto puder vender para os dois, venderei. Todo o dinheiro traz agarrado a si miséria e sangue. Mas não tem cheiro.” (Salazar)

“Devo à Providência a graça de ser pobre; sem bens que valham, por muito pouco estou preso à roda da fortuna, nem falta me fizeram nunca lugares rendosos, riquezas e sustentações. E para ganhar, na modéstia a que me habituei e em que posso viver, o pão de cada dia, não tenho de enredar-me na trama dos negócios ou em comprometedoras solidariedades. Sou um homem independente.” (Salazar)

“A autoridade que se não exerce, perde-se”. (Salazar)

“Não se deve aspirar ao poder como se aspira a um direito, mas deve-se aceitá-lo e exercê-lo como um dever”. (Salazar)

“O que nos é imposto por um plano de dever nacional, faz-se ou morre-se, mas não se deserta”. (Salazar) - Tenho a convicção de que esta assentará particularmente bem a alguns...(vidé posts atrazados).

“Os homens e os povos com a consciência de um objectivo moral vão até ao fim, porque mesmo vencidos materialmente, nem tudo se perde”. (Salazar)

 

Pensem nisto sem rancor ou paixão clubista e, sobretudo pensem que a nossa vizinha Espanha, mesmo depois da ditadura franquista e da sangrenta guerra que sofreu, soube civilizadamente conservar os seus monumentos da era do franquismo e não teve necessidade de mudar o nome a obras de arte (por ex.: a ponte Salazar, sobre o Tejo), de derrubar estátuas e de censurar o "pensamento e a acção livre" bem ao invés do que nós por cá, com uma Constituição dita das mais avançadas do mundo, contraditoriamente sente necessidade de referir-se ao "fascismo" (que só um ignorante pode dizer que alguma vez tenha havido, isto porque não conhece o verdadeiro significado e alcance palavra "fascio" – de “fasces” – que no Império Romano representavam um conjunto de varas, símbolo dos magistrados) mas a que, pejorativamente e muito intencionalmente, se associa uma espécie de ditadura quasi nazi!...

 

E, já agora acrescentarei:

 

Salazar terá plantado no jardim de sua casa, em frente do seu Gabinete de trabalho uma planta dada, ao que se sabe, por Chirstine Garnier...

 

Porque terá sido uma MAGNÓLIA?

 

publicado por Júlio Moreno às 17:01
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De contoselendas a 9 de Janeiro de 2013 às 12:54
Será...!?Talvez...!
Significado e origem do nome magnolia:
Muito ligado a familia, e emotivo costuma exagerar nos seus cuidados e corre o risco de sufocar as pessoas que ama sendo assim. Tem muita energia e por isso deve sempre manter-se ocupado com alguma coisa. Nos relacionamentos amorosos ou mesmo de amizade, quando se magoa, procura se recolher para dentro de si mesmo e só sai quando recebe um pedido de perdão. Um bom conselho seria aprender a controlar seu temperamento e deixar as pessoas que ama mais na delas.(retirado da net)

Abraços.
Contoselendas


De Júlio Moreno a 9 de Janeiro de 2013 às 23:56
Bom Amigo:
Sempre oportuno, sempre atento... Bem haja!


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds