Terça-feira, 5 de Fevereiro de 2013

Recordações: - um caso que, se aplicado hoje, talvez ajude a recuperar as Finanças do País...

 

Corriam os longínquos anos de sessenta quando, encontrando-me no comando da Secção da GNR de Guimarães, recebi um telefonema do meu camarada de Viana do Castelo que me informava terem sido “passados” dólares falsos numa conhecida casa de câmbio de Valença e que os dois criminosos que o fizeram se fariam transportar num Volkswagen de cor castanha clara tendo seguidamente fugido em direcção ao Sul pelo que me solicitava a tomada das providências adequadas à tentativa da sua intercepção e detenção.

 

Perante o facto, imediatamente tomei as medidas possíveis e que desde logo se impunham – infelizmente sem êxito pois os meliantes, não obstante devessem ter pressa em se afastarem do local, também deveriam conhecer razoavelmente bem os terrenos que pisavam pelo que se deverão ter deslocado por estradas secundárias ou então ficado escondidos nalgum local previamente escolhido.

 

Assim, apressei-me a telefonar aos comandantes dos Postos das áreas por onde aqueles poderiam passar – o acontecido passara-se ainda não decorrera uma hora! - e mandado deslocar patrulhas para os itinerários e cruzamentos de vias de mais provável utilização pelos meliantes.

 

Até aqui e não obstante, como disse, a operação não tivesse resultado, nada de anormal deveria considerar-se já que se tratava de mais um dos inúmeros casos em que a GNR de então, por falta de meios, que nunca de vontade, e sem o recurso das modernas tecnologias que hoje se utilizam, falhava no cumprimento do que se propusera executar. O curioso e que motiva este meu “post” de hoje, vem a seguir:

 

- No final desse mês recebi, como habitualmente, o meu “soldo” que, além dos habituais descontos de cantina e outros, continha um de telefonemas não justificados e que, para os valores de então, constituiam um montante algo considerável! Surpreendido e indagando da razão de ser de tal desconto, vim a saber que as chamadas que fizera para os comandantes dos Postos da área por onde deveriam passar os criminosos dos dólares falsos haviam sido consideradas como não urgentes e desnecessárias pelo que seriam da minha exclusiva responsabilidade.

 

Indignado, não pude deixar de remeter ao Exmo. Comandante do Batalhão 4, no Porto, (com quem me dava bastante mal, diga-se) um ofício onde dizia mais ou menos o seguinte: -“Foi com a maior surpresa que verifiquei o desconto que me foi feito no caso dos telefonemas dos dólares falsos de Valencia. Tomei devida nota da interpretação dada ao facto por esse comando e informo que, para futuro, passarei a agir da forma seguinte:- endereçarei aos comandantes dos Postos visados um ofício informando que “no dia “x” deveria ter passado na ária das suas jurisdições um veículo com as características “Y” o qual deveria ter sido interceptado e detidos os respectivos ocupantes pelo facto de “Z”.

 

Devo acrescentar que nunca me foi comentado ou por qualquer outra forma referido qual o “impacto” que este meu ofício terá causado perante os responsáveis pelo acontecido nem nunca me foi reposta nos soldos que se seguiram a importância descontada e que, ao tempo, representava um valor considerável...

 

Assim se vivia na GNR, expedindo a correspondência interna em sobrescritos voltados do avesso, onde se apunha um carimbo com o símbolo da República utilizado na correspondência oficial, e as patrulhas (algumas de trinta e dois quilómetros) eram feitas a pé, cada soldado do seu lado da estrada (quando não por caminhos de montanha) e carregando, quando chovia, além das pesadas Mauser de 13,600 Kg., pesadíssimas capas de oleado, botas e polainas (que saiam sempre do quartel a brilhar - apanágio da GNR) e uma farda de cotim cinzento com dólman abotoado até ao pescoço onde se fechava como um cabeção de um padre!...

 

Havia realmente muito pouca semelhança com o que hoje se passa...

publicado por Júlio Moreno às 17:12
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds