Sexta-feira, 15 de Fevereiro de 2013

Que Deus lhe conceda o perdão já que nunca terá sabido o que fazia...

 

Que a misericórdia divina lhe conceda agora a paz que nunca alcançou na vida terrena que viveu e em que fez muitos infelizes mas na qual a mais infeliz terá sido ela própria, vitima que foi de uma conjuntura pouco habitual nas pessoas mas que, quando as atinge, se costuma revelar fatal.

 

Sendo a mais nova de duas irmãs, filha segunda de um amantíssimo casal de primos direitos, por razões de doença e serena docilidade – que só bastante mais tarde se transformou! – e talvez protegida pelo sentimento de culpa que a consaguinidade tão próxima terá provocado nos pais, a quem a mais velha Deus levou em vésperas de lhes dar o terceirto neto, foi sempre o centro das suas atenções e desvelos e, dada aquela sua docilidade infantil a que já me referi, foi sempre adorada por quem lhe era familiarmente próximo.

 

Porém, com uma total impreparação para a crua rudeza da vida real e para a qual nunca havia sido esclarecida, foi subitamente lançada para a torrente social do mundo em que vivemos o que, sem a ter afogado, lhe roubou definitivamente a pureza do ar que lhe teria permitido viver uma realidade bem serena e tranquila.

 

Bem ao invés disso e demonstrando, sem que nada o fizesse prever, uma congénita tendência para o facilitismo e o vício que o dinheiro compra, uma crescente ausência de sentimentos e uma real distinção entre o bem e o mal da natureza humana foram crescendo em si pelo que bem cedo a vida lhe traçou um destino de permanente infelicidade e de pouca ou nula lucidez que procurava colmatar com uma vida que se diria dissoluta e onde as diversas drogas que tomava, com ou sem prescrição médica, tiveram um papel preponderante.

 

Na aldeia ter-se-ia dito que estaria possuida pelo demónio. Na cidade, com os seus mais refinados e pretensamente eruditos hábitos, nem ápodo sequer lhe atribuiriam limitando-se a ignorá-la e a proporcionar-lhe uma existência cada vez mais desacompanhada e vazia que terminou um dia como se nunca tivesse existido isto a despeito da compaixão que suscitou em duas almas suficientemente caridosas que, esquecendo-se de si mesmas, consigo compartilharam alguns momentos da sua triste existência.

 

Particularmente tocado pelo que, transcorrido já um ano, aqui narro por terem acabado de mo contar, não posso deixar de sentir remorso por não ter querido acompanhá-la mais de perto e muito, muito triste pelo seu falecimento.

 

Por ela só me caberá agora expiar as culpas que porventura tenha e para ela pedir a Deus misericórdia no Seu julgamento.

publicado por Júlio Moreno às 00:57
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De ella a 16 de Fevereiro de 2013 às 21:27
Para ELA, paz eterna a sua alma; para si, os meus profundos sentimentos....sei o que ela significou para a sua vida.......


De Júlio Moreno a 17 de Fevereiro de 2013 às 03:29
Obrigado ELLA...


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds