Sábado, 16 de Fevereiro de 2013

Será que o tempo me transformou num velho do Restelo?

 

De há muito que o meu subconsciente me vem interrogando sobre se serei ou não um potencialmente novo "velho do Restelo"!

 

É que a modernidade, que me lembro de, em tempos idos, ter acalentado e desejado tanto surge-me hoje como fastidiosa, inconsequente, ilógica e quase insana!

 

Assim, numa perspectiva sempre audaciosa e falível de auto-análise, sempre discutível, vejamos o porquê, ou melhor, os porquês de tal sentir:


Primeiro: - não entendo como, em nome de uma liberdade e de uma democracia, de há milénios, bafienta e nunca com significado consensualmente aceite, (vidé a definição que dela já dava o clarividente e verdadeiro herói do meu tempo, Sir Winston Churchil!) não entendo como se permite conceder, sem uma reacção oportuna, decisiva e marcadamente autoritária de quem governa, e antes passivamente aceitando, o direito às greves que, talvez beneficiando algumas dezenas de indivíduos corporativamente unidos por classes que sabem ser bem essenciais ao colectivo mas que, sem qualquer outra representação que não seja a delas mesmas, se permitem prejudicar milhares de cidadãos e causar milhões de prejuízo a um país já bem depauperado pelas duvidosas manigâncias de um governo de vergonha que de tudo se serviu para se manter no poder (donde “jamais” quereria ter saído) tendo à sua frente um indivíduo sem escrúpulos e de moralidade mais do que duvidosa e que se encontra hoje em Paris vivendo bem e sem quaisquer dificuldades económicas o prudente auto-exílio que a si mesmo se impôs!

 

Recordamos neste ponto e apenas as sucessivas greves dos ferroviários e a dos estivadores do centro e sul do País.


Segundo: - não entendo a graça grotesca que hoje uma comunidade acarneirada encontra a uns quantos pacóvios de rua que brilham nas ribaltas radiofónicas e televisivas para um povo embasbacado que, sem que o sinta ou saiba mas que, bem lá no fundo, creio se rirá mais de si mesmo do que propriamente das idiotas quando não grosseiríssimas asneiras que nas Tvs e rádios vê e ouve. Será este o triste fim de quem se diz haver sido um dos alunos mais brilhantes de uma certa universidade ou a prova evidente de que a universidade já não satisfaria e permaneceria como tal e com tal estatuto num exame que a si mesma pudesse realizar?

 

Recordamo-nos de um tal Araújo Pereira, hoje não só na TV como igualmente na rádio onde, pelos vistos, se tormou indispensável, e de um certo programa, nojento e revelador do pouco respeito que a si próprio o povo vem merecendo – a Casa dos Segredos -  apresentado por uma graciosa e poética figura feminina que dá pelo nome de Teresa qualquer coisa mas que, segundo dizem por aí, é mesmo à conta dos papalvos que bons cobres vai metendo ao bolso...


Terceiro: - se bem que já conhecida como ex-libris do governo da velha senhora a política dos três Fs (o fado, o futebol e Fátima), custa-me a aceitar o tempo hoje ocupado pelas emissões televisivas pelo futebol comentado e em notório detrimento de todas as demais práticas desportivas.

 

Não que me surpreendam as transmissões dos jogos, que esses bem entendo que sirvam de lenitivo e entretenimento ao público ajudando-o a esquecer certas desventuras das suas próprias vidas, como a crescente carestia e o temível flagelo social que é o desemprego, ambos parecendo imparáveis, mas reavivando o natural e vivificante entusiasmo subjacente a todo o ser humano.

 

Porém já não entendo as infindáveis horas que as TVs passam a comentar resultados, tácticas de treinadores – a maior parte de bancada, como soi dizer-se – os erros dos árbitros e sobretudo as longas a catedráticas intervenções do Prof. Dr. Rui Santos que, além de escalpelizar ao milímetro cada chuto ou cabeçada, quer hoje levar mesmo à barra da ciência tecnológica do seu programa uma “verdade desportiva” dotada de poderosos meios técnicos que determinem se a bola ultrapassou ou não em mais de metade do seu diâmetro para que seja considerada fora (creio que é assim, não é?) das linhas que limitam o campo ou se passou ou não, na balisa, o plano vertical que parte da linha inter-postes para que seja golo!

 

Quarto: Não entendo igualmente como na frente de uma encaixilhada amálgama de cores dispostas a esmo e sem traços harmónicos que completem uma visão organizada do que quer que seja mas a que se chama “quadro” e que as possam justificar se amontoem pessoas e se discutam especulativamente os estados de alma que terão levado o “artista” a fazer o que fez sem nunca ter ouvido dizer que este talvez devesse estar no Júlio de Matos ou, se no Norte, no Conde Ferreira (hoje já desaparecido, ao que julgo saber).

 

Recordo, a propósito, o episódio da pequena multidão que se aglomerava junto de um quadro exposto numa galeria e comentava vivamente o que via e qual teria sido o estado de espírito do artista que o pensou e criou quando, inesperadamente, surgiu o próprio artista-autor acompanhado de um homem de bata banca contra o qual se insurgia por haver dependurado aquele seu” quadro “ precisamente – imaginem! - "ao contrário”, ou seja, de pernas para o ar!...

 

Por estas e muitas mais razões que me abstenho de aqui alongar me interrogo: . estarei eu a ser influenciado pelo velho a que Camões se referia ou será que, como o quadro, é o próprio mundo que vai ficando de pernas para o ar?

publicado por Júlio Moreno às 16:56
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De contoselendas a 17 de Fevereiro de 2013 às 15:51
Vivemos em capitalismo e não em “Democracia”. Vivemos num momento mais democrático da nossa história mas provavelmente nunca viveremos em “ Democracia”, “Liberdade”e “Justiça”. Estes termos definem ideias que ultrapassam-nos enquanto seres - Somos humanos.
A greve certamente não é solução, os senhores que as convocam têm outros interesses e um bom “tacho”, mas o povo precisa de sonhar de acreditar que pode mudar as condições de vida e adere. Sonhar é Viver - Deixar de sonhar é morrer. Todos temos de acreditar em algo, que normalmente não existe, para se sentir feliz e até amar.
Todo aquele que passou pela política é aldrabão. Os políticos são aldrabões profissionais e todos corremos para ir votar neles para continuarmos a sonhar que existirá um político “messias”. Um Salvador das nossas carteiras, pois de “valores” é o que começa a restar-nos.
Todos um dia prevaricamos, agimos contra as normas, roubamos - nem que fosse um brinquedo ao amigo. Temos de aceitar que todos erramos. Os políticos são profissionais do erro. Ganham com isso e não é pouco. Não têm desculpa, mas pertencem a uma minoria privilegiada, a mais favorecida das minorias. Uma minoria culta mas sem valores.
O povo que por incapacidades da mais variada origem não tem direito a atingir o patamar de clarividência sobre os mais diferentes aspectos, assim acredita no que qualquer “charlatão”, bem apresentado diga nos mídia. Também se contenta com brejeirices. São de fácil assimilação. O Stress nos tempos que correm também está a favor destas personagens que o distraiam – O Povo - pois pensar já a vida obriga muito.
Ricardo Araújo Pereira tem os seus golpes de bom humor negro mas nem sempre, para deixarmo-nos rir um pouco com nossa desgraça. Rir faz Bem. E que bem…
Arte é aqueles sarrabiscos que fazemos sem nexo e que dizem o nosso estado de espírito, quando queremos escrever e as palavras não reflectem o que sentimos ou simplesmente não nos ocorrem.
O fado é a nostalgia a estagnação, o futebol é o sonho de vencer, … de realização, Fátima a fé o acreditar no impossível. Mudar estas crenças antagónicas não é uma revolução político-militar que as vai alterar. O povo necessitaria de alterar seus vícios e atos que cultivou durante gerações e para tal era necessária sua vontade. As pessoas não mudam porque nós desejamos, mudam porque querem. Quando o sonho lhes é oferecido – Internet, telemóvel, Tv Cabo – eles aderem, mas não mudam.
Os aldrabões vivem deste sonho a que o povo chama: liberdade, democracia, justiça. Palavras que cognominam-se de outra: Razão. Todos queremos ter Razão, dai tantos opinadores de Razão. Este é o nosso destino…

Abraços.

Contoselendas


De Júlio Moreno a 18 de Fevereiro de 2013 às 13:48
Caro Amigo "Contosslendas",
Não posso deixar de lhe manifestar o meu sincero apreço pelo comentário que se dignou efectuar a este meu post onde eu, como sempre, aliás, procurei dar um pouco de rédea solta ao que me vai na alma em face do que os meus olhos vêm e os meus ouvidos ouvem neste nosso (ou só meu, não sei!) infeliz quotidiano-
Para além das oportunas considerações que tece ao que "desabafei", que inequívocamente me demonstraram que leu e soube ler o que tentei escrever, outra razão me deu para vir futuramente a explorar: - a Razão!
Prometo vir a fazê-lo num dos próximos posts mas só quando. para tal, sentir que estarei disposto já que o tema é tão vasto e polémico que ultrapassa a Psiquiatria (como ramo da ciência exacta que é a Medicina) para atingir a estratostera da análise e criação mais puras - a da própria Razão.
Gostei do seu comentário e comentá-lo-ei, por meu turno, com mais tempo e cuidado pois sem dúvida que o merece. Obrigado.
Seu grato amigo, Júlio Moreno


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds