Quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2013

O Max o segundo amigo canino

 

Encantado e usando de todas as oportunidades para utilizar os novos “clubs” de golfe que meu pai aos sete anos me oferecera – Parshot, uma famosa marca inglesa, da marca dos seus mas para o meu tamanho – nessa manhã resolvi ensaiar umas pancadas no passeio térreo da Avenida, em frente à minha casa o que fiz utilizando para o efeito umas bolas já mais velhas, mas jogáveis ainda e que o meu pai me dera também.

 

Assim, colocada a bola no chão e com o ferro nº 7 (normalmente utilizado para bater as bolas na areia dos “bunkers”) resolvi batê-la, não com muita força, na direcção da vedação de rede e arbustos altos que separavam a Avenida da estação dos caminhos de ferro de Vidago.

 

Batida a bola – bem demais e com excessiva força pois não estava ainda muito habituado aos ferros – eis que a vejo elevar-se nos ares e, depois de transpor a vedação e um vagão que ali estava estacionado para carregar ou descarregar as grades das águas de Vidago, bater uma e duas vezes, com o som característico e que eu bem conhecia de uma bola de golf batendo em pedra ou no cimento e logo de seguida o estilhaçar de uns vidros que me garantia, sem a menor sombra de dúvida, que a bola atravessara ambos os cais de embarque a atingira uma das portas envidraçadas da gare, já na Restação própriamente dita.

 

Corri de imediato a arrumar bolas e ferros dentro de casa após o que passei, cheio de medo, a aguardar os acontecimentos que, bem por certo, se iriam suceder e que não me seriam nada favoráveis, disso tinha eu a certeza.

 

A hora do almoço chegara e foi com o maior esforço que mal comi, sentado à mesa com os meus pais mas sempre com o pressentimento de que não tardaria em baterem à porta para me acusarem dos estragos feitos. Porém, o almoço decorreu calmamente e nada nem ninguém apareceu a reclamar os prejuízos...

 

Porém, seriam umas três ou quatro horas da tarde, estaríamos em plena Primavera pois o fim do dia ainda tardava e o sol ainda se não escondera por detrás do monte, quando surgiu um funcionário da estação, com o seu fato de macaco azul acinzentado e o seu boné amolgado com uma cinta encarnada, que de imediato reconheci e que me vinha chamar a mando do Sr. Oliveira, o Chefe da Estação que, como era normal na altura, nela residia ocupando o primeiro andar da parte central do extenso edifício.

 

Calado e tremendo como varas verdes mas disposto a tudo fazer, a tudo confessar para que o desastre não chegasse aos ouvidos do meu pai ou da minha mãe, acompanhei o funcionário até ao cais principal – havia dois e não havia perigo pois só havia dois comboios por dia, um cerca das onze horas Chaves-Régua e outro por volta das quatro e meia cinco horas, Régua-Chaves – onde o chefe Oliveira, como seu boné branco e casaco escuro, me esperava com ar sorridente o que suavisou um pouco a minha apreensão.

 

Pondo-me afavelmente a mão no ombro, o senhor Oliveira disse-me então que fosse com ele até sua casa pois sua mulher, a D. Leonilde, tinha uma supresa para me dar. Devo confessar que imediatamente pensei que seria a bola de golfe que havia precisamente partido o grande vidro da porta que dava acesso às escadas para a sua habitação, e que quando entrara reparei estar partido faltando-lhe um pedaço, pelo que o meu apertado coração e a minha atrofiada consciência de imediato iniciaram a mais plausível busca de explicações para um pedido de desculpa que pudesse suavisar a situação.

 

Porém, surpresa das surpresas, aberta a porta principal da casa foi a própria D.Leonilde que me recebeu, convidando-me gentilmente a entrar e a sentar-me numa pequena salinha que se seguia à porta enquanto ia dentro buscar a prenda com que queria obsequiar-me. Entretanto o chefe Oliveira, que entrara e se sentara também, sorria-me sem dizer palavra. Foram, séculos que os breves minutos que se sucederam representaram para mim até que D. Leonilde regressou trazendo nos braços uma bola branca de algodão em rama donde despontava o negro de um pequeno focinho encimado por uns olhitos muito brilhantes e negros também. Era o Max – nome com que posteriormente o baptizei – a surpresa que tinha para dar-me.

 

O Max era um cãozinho pequeno e, como todos os cães pequenos, cheio de complexos caninos, teimoso, pouco obediente e necessitando a toda a hora de afirmar a sua vontade através de um ladrar furioso que variava de tom conforme os desejos ou as razões que o motivavam. Em pequenino e até porque eu nunca o largava, rapidamente se habituou a mim e a respeitar-me como seu dono.

 

Digo isto porque a minha experiência com cães das mais variadas raças e origens me tem demonstrado que são eles quem escolhe o seu dono e não o contrário como tão erradamente se tem entendido. A seu tempo vos darei as razões em que se baseia esta minha convicção não obstante

reconheça que o contacto permanente com uma determinada pessoa faça com que o cão fique propenso a aceitá-la como o “seu amo e senhor”.

 

Recordo o Max, completamente branco e muito felpudo e que, quando pequenino, sobretudo na Avenida, que tinha um pendor de certo modo acentuado, quando chamado por mim, corria tão desalmadamente que invariávelmente trocava as patas e me chegava não andando mas sim rebolando como se de uma bola de pelo se tratasse.

 

Teimoso, como era, ia correr e ladrar sempre que podia ou me apanhava desatento às rodas da frente dos automóveis (poucos) que passavam. De uma vez apanhou uma pancada pelo que ficou a coxear de uma das patas traseiras. Passado algum tempo e depois de já recuperado, como não perdera a mania, morreu mesmo atropelado sem culpa alguma para o condutor mas com enorme tristeza e dor para mim e para todos nós que lhe fizemos um funeral numa cova aberta a preceito num dos cantos mais recônditos do nosso grande quintal.

 

Ao Max como ao Tatu, que já aqui recordei e me deu a conhecer o que era um cão, a minha saudade e o meu agradecimento pelos alegres e felizes momentos que me fizeram passar.

publicado por Júlio Moreno às 22:53
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds