Sábado, 6 de Abril de 2013

A grande contradição

 

Se o País, hoje sem autonomia porque viveu à tripa forra os anos da abastança em que os euros vindos do “demo” (etimologia de democracia) – dessa Europa que nunca nos deu nada e só nos expoliou (como tentou Napoleão) e se serviu da nossa mão de obra oriunda dos “bidon-ville” – mas em que esses mesmos euros entravam aos milhões pela casa dentro ( e nos bolsos dos outros, dos “amis do Miterrand” e correligionários, isto porque para os meus nem um chavo entrou)...  


Se um País que assim se governou se vê mais tarde forçado a pagar bem caro os anos de luxúria e passa a viver agora à sombra das concessões que a agiotagem da comunidade europeia benévola e extraordinariamente lhe concede...

 

Se, como contrapartida de tão generosas concessões, ao País – envergonhado mas através do seu Governo legítimo - só lhe restou estender a mão à caridade e  comprometendo-se  a cumprir as draconianas condições que lhe foram impostas (quem falar em negociadas deve estar louco!) – arrisca em sacrificar o seu Povo e apenas lhe pede que, em memória do passado, saiba honrar os seus vindouros...

 

Se, feito por um Governo legítimo e aprovado por uma maioria parlamentar, um orçamento austero  que visava apenas e tão somente colmatar os desmandos da tropa fandanga que o antecedeu ( e que, com a maior audácia e desfaçatez se propõe agora regressar – já vimos por aí um dos figurões - o propõe aos credores e estes aceitam, ainda que receosos e sujeitando-o a inspecções frequentes e aviltantes para se assegurarem apenas do seu cumprimento, todo o conjunto de medidas destinadas ao ressarcimento da dívida descomunal que contraímos..

.

Se as medidas contidas nesse orçamento são efectivamente dolorosas para o Povo – menos, no entanto, do que o racionamento já vivido noutras épocas e que, a despeito de ter sido sofrido, o Povo soube ultrapassar com dignidade e honra...

 

Se as medidas contidas nesse orçamento, não obstante aprovadas pelo único órgão com autoridade jurídica e política capaz de o fazer - a Assembleia da República e o Presidente que o promulga para que valha como lei -   faz com que os nossos credores apoiem as metas e os meios de gestão económica que nele se continham...

 

Mas se por via de uma aberração constitucional nascida em 76 – o Tribunal Constitucional  e que de há muito deveria ter sido banido do nosso texto fundamental – tal orçamento deixa, de um momento para o outro, de ter validade e lhe é desferido um golpe tal que quase o inviabiliza...

 

Se essa aberração detem – porque lhe é consentido – o poder de se sobrepor à Assembleia e ao Presidente fazendo com que ambos estes orgãos nada valham e para nada sirvam... e com treze cidadãos apenas faça prevalecer uma vontade em tudo contrária aos verdadeiros interesses nacionais e que só aproveitarão àqueles que, sem qualquer esperança, continuam porfiadamente a fazer de conta que concorrem a eleições... (apenas para, como deputados, que alguns sempre o vão conseguindo ser, poderem garantir chorudas e imerecidas reformas de fim de mandato...

 

Se num País já bem conhecido pela prolixa e confusa legislação que desde sempre criou, mais confusão se vem criar ainda e com esse órgão que detém o poder de dar o dito por não dito e nos meter numa embrulhada maior ainda do que aquela que julgávamos estar a sair...

 

Se é isto que é o meu País onde se não honra a memória dos que por ele fizeram o supremo sacrifício de dar a sua vida... quero-me ir embora.

 

Quero-me ir embora e, com a maior das mágoas no meu velho coração, renego o meu País.

 

Oxalá tivesse nascido num recôndito lugar da amazónia onde a civilização ainda não tenha chegado mas onde cada homem, na hora de morrer, possa dizer que afinal viveu!

publicado por Júlio Moreno às 03:09
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds