Domingo, 7 de Abril de 2013

Cheguei a uma conclusão

Cheguei finalmente a uma conclusão relativamente às matérias que venho procurando tratar neste meu "blog", conclusão essa que passo - com alguma mágoa o digo - a expor ainda que sucintamente:

 

Não lêm ou comentam os meus textos:

 

1º - Ou porque escrevo tão mal e com tantos erros gramaticais que ninguém me consegue entender;

 

2º - Ou porque os temas sobre os quais escrevo - que são os que me vão na alma, equivalendo quase a uma confissão pública dos meus sentimentos - não são suficientemente apelativos para provocar o interesse de eventuais leitores:

 

3º - Ou porque o número desses leitores é de tal modo escasso já que me recuso a fazer qualquer tipo de publicidade que os atraia: ou, finalmente,

 

4º - Porque aqueles que me lêm, concordem ou não com as posições que aqui assumo, ou acham que os textos não valem sequer o favor da sua atenção ou porque, abordando normalmente, como sempre foi meu timbre, temas tão quentes que fazem esmorecer o ânimo de quem os poderia confirmar, contestar ou, simpleslente, comentar só não o fazem por entenderem que não terão merecimento; porque quem me lê é suficientemente covarde para ter receio de demonstrar que leu o que não devia e, concordando ou discordando do que aqui venho afirmando, têm receio de uma qualquer Pide de ocasião lhes bata à porta para lhes pedir contas ou, o que será pior, que o seu chefe hierárquico partidário não aprove essa leitura...

 

Triste sina a de um Povo que tem, afinal, mêdo de si mesmo, que tem uma natural propensão em valorar quem lhes prometa a lua, no sentido de lhes vender a banha da cobra, ou demonstra uma iliteracia tal (neologismo bem em voga) que talvez não seja capaz de entender sequer o que lê a menos que o assunto seja futebol!

 

Enganem-se, porém, aqueles que pensam que estes factos farão esmorecer a minha vontade de dizer o que quero e o que penso pois, nunca o tendo feito durante a minha vida útil, não deixarei que apodreçam no meu limitado cérebro ideias e factos que afectam a percepção e a vida que Deus me deu sem ter o prazer-dever de as comunicar a terceiros, só me restando pedir-lhes desculpa pelo facto de, a textos meramente informáticos e desde que não sejam posteriormernte impressos, se não possa dar o destino que há muito tempo atrás, e antes do advento do papel higiénico, se dava aos papeis que não tinham valor ou que, simpesmente, tinham deixado de interessar.

 

O meu obrigado a quem tiver lido o que venho de escrevinhar...

 

 

publicado por Júlio Moreno às 15:55
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De contoselendas a 9 de Abril de 2013 às 11:46
Olá. O debate não faz parte da cultura Portuguesa. O Ódio da "Paixão" sim - Futebol, etc. Vivemos tristes, vivemos sós para nos sentirmos realizados com o que os outros fazem - Futebol, etc. Para nos dar Opinião não precisamos pensar temos os opinadores de fim-de-semana. Poupamos esforço para vivermos infelizes por não sermos nós mesmos mas o produto dos outros. Rezamos para não ouvirmos o político a falar porque não queremos perceber e /ou não entendemos o que ele diz. Debate político faz-nos ter medo do Presente sem Futuro. É melhor fugir e fazer que nada se passa, que não é connosco. Os seus pensamentos caem neste ponto, vivemos para ser infelizes para que ler - dá trabalho - o que vai na alma dos outros se não entendemos o que vai na nossa. Logo não podemos comentar.

Abraços

Contoselendas


De fox terrier_o meu polo a 26 de Abril de 2013 às 17:19
Por favor, continue a escrever, porque a escrita é a forma gráfica de exprimirmos as nossas ideias...e haverá sempre alguém que lê...ora veja, eu estou aqui a lêr o que escreveu.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds