Segunda-feira, 10 de Junho de 2013

A greve como arma política e pau de vários bicos...

As sucessivas greves que se anuciam, quanto a mim muito longe de assentarem na justa e, sobretudo, oportuna reivindicação de uma maior equidade e justiça nas relações laborais entre empregados e empregadores, hoje vivendo ambos dias bastante difíceis, parece-me serem, bem pelo contrário, uma manifestação gravosamente inconsequente de certos e anquilosados princípios que visam defender, por óbvia carência formativa e informativa das massas que os seus mentores oportunísticamente manipulam, antes devendo ser consideradas como o eterno – e gasto braço de ferro, quanto a mim já muito ferrugento – entre os que, sistemáticamente derrotados nas urnas, nunca desistiram de semear os seus vesgos ódios, hediondo antipatriotismo e péssimo perder traduzido sempre no já estafado método da luta de classes que tão bons resultados se pensava ir dar na esfarrapada e felizmente desaparecida ex-URSS!

 

Que pretendem, afinal, os mentores das greves que assim exercem um direito que, devendo ser considerado extraordinário, hoje se tornou corriqueiro e mesmo assim a nossa Constituição consagra e protege?

 

Pretendem justiça social? - Porque não a demonstram no modo concreto de a obter e nunca a praticaram nos efémeros anos em que detiveram esboço de poder?

 

Pretendem igualdade? - Pura utupia em que sempre assentou a teoria marxista lelinista que nunca soube ver que nem o preto é branco, nem os homens nem as mulheres são iguais na sua forma exterior e interior! A uniformidade, o unanimismo e a unicidade só existiu na brutalidade do poder lelinista e mais tarde estalinista e nas mentes distorcidas daqueles que, com os olhos postos nas benesses que daí poderiam auferir, cegamente o seguiram!

 

Querem melhores rendimentos? - Porque não os buscam na criatividade e no trabalho e antes pretendem que  surjam das greves que equivalem, na realidade, à sua própria auto-negação uma vez que até uma criança entende que quem não produz não tem, a menos que roube  e que a negação deste elementar princípio só poderá conduzir ao cada vez maior empobrecimento da coisa pública e dos rendimentos que, só se gerados. poderão efectivamente ser melhor distribuidos?

 

Porque buscam os grevistas o fruto do trabalho daqueles que efectivamente produzem e pretenderem chamar a si o que nunca, de facto, lhes pertenceu?

 

Porque escolhem para líderes das suas reivindicações aqueles que melhor falam, maior verborreia produzem sem que, todavia, nada de verdadeiramente inovador e útil saibam dizer e muito menos fazer? E já viram que esses são sempre os mesmos e que se transportam para todo lado, do norte ao sul do País, à custa dos que neles acreditam e que se pavoneiam com a arrogância que sempre foi apanágio dos medíocres e dos que sempre souberam atacar pelas costas e com torpeza quem se atrever a afrontar as suas ideias e a não pactuar com os seus delírios megalómanos?

 

Já viram algum líder grevista ser ele próprio a fazer greve e a prescindir do salário que as respectivas organizações sindicais pontualmente lhes pagam?

 

Austeridade? Sim a austeridade é dura e por vezes injusta também assim como sempre foi dura a chamada às armas quando está em causa a sobrevivência do País! Mas talvez grande parte da culpa da sua existência passe pelos que nada fazem para a alterar em termos de criação de riqueza e só se limitem a propagandeá-la, sem que a produzam, como a causa de todos os males.

 

Se não há dinheiro como querem evitar a austeridade? Com greves, particularmente com greves em sectores sensíveis como o das exportações portuárias, com greves em sectores particularmente sensíveis como os da educação, da saúde e dos transportes paralizando toda a actividade produtiva e grangeadora de riqueza.?

 

Onde se gasta verdadeiramente o pouco dinheiro que os portugueses produzem? Nos chorudos e verdadeiramente obscenos ordenados pagos a gestores públicos, funcionários(as) de empresas pública - vidé RTP e outras - que, vindos do anteriormente, se transformaram hoje em direitos adquiridos e ciosamente defendidos pelos paradoxais órgãos de soberania que a revolução veio criar? 

 

Gastam-se milhões em pleonásticas instituições criadas pela mente delirante de quem forjou a Constituição mais avançada do mundo e, entre outras inovações, criou o inútil e muito questionável Tribunal Constitucional cheio de vencimentos desnecessários, de frotas automóveis que bem falta fazem às polícias e aos responsáveis pela saúde do país, de mordomias de toda a espécie mais tarde agravadas por chorudas reformas que irão auferir! - como se não houvesse já uma AR, um Governo e um PR, todos eles órgãos essenciais e suficientes do Estado visando o cumprimento da Constituição sendo o último o seu garante supremo!...

 

Devemos igualmente convir que com esta sanha grevista e este PS ansioso de regressar ao poder para, ao exemplo do que indiciam as ideias de pés de barro do seu acfual líder, darem cabo do pouco que ainda nos resta – ressalvo aqui com a devida vénia o criador do Serviço Nacional de Saúde, verdadeiro e puro socialista que soube honrar o País e o partido em que militou e onde só um lider houve a merecer esse nome e que soube reconhecer a derrota e os erros que porventura cometera como igualmente me refiro ao Engº Guterres, - esse sim, esse engenheiro -  e não farçante como o que depois tivemos assim como um senhor que, ao que dizem terá alegado ter o pé chato para se furtar à guerra do Ultramar mas que, pelo que sabemos, calcorreia, ou calcorreava, quilómetros com esse mesmo pezinho nos macios relvados dos campos de golfe! Tudo isto existe... tudo isto é triste e... continua sendo de muito triste memória!...

 

Assim vai o meu País! Para onde? Não o sei e acho que nem mesmo aqueles que pretendem conduzi-lo saberão!

 

ADITAMENTO – Palavras de ordem e apupos como os que acabo de ouvir após e durante o discurso de Sua Exa. o Presidente da República no 10 de Junho, em Elvas e perante as Forças Armadas são bem a amostra da manipulaçãp de que está sendo alvo o povo que parece estar a perder as características que o fizeram grande para se transformar num povo vulgar, sem memória nem vergonha!

 

publicado por Júlio Moreno às 11:08
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De contoselendas a 11 de Junho de 2013 às 21:00
Todos os lobbies de luta obedecem a interesses instalados.Os lobbies são corruptos. Os políticos são os afilhados dos lobbies. Os lobbies cada vez têm menos pudor à exposição pública. Os lobbies não são criminalmente responsabilizados. Os lobbies são filhos do mesmo Pai. O Sr. Presidente da Republica assim como os "sindicatos" ou até mesmo a URSS são afilhados dos lobbies.

Contoselendas


De contoselendas a 13 de Junho de 2013 às 02:15
"Porque escolhem para líderes das suas reivindicações aqueles que melhor falam, maior verborreia produzem sem que, todavia, nada de verdadeiramente inovador e útil saibam dizer e muito menos fazer? " - Não é exatamente isto que fazemos com os nossos votos nos Políticos. Nos nossos Lideres. Cometemos, todos, sistematicamente, o mesmo erros.
Feminismo nada tem a ver com o Marxismo-léninismo ou outra forma de comunismo. Este movimento só veio ajudar o capitalismo como forma inicial de remunerações precárias http://pt.wikipedia.org/wiki/Feminismo
já é altura de termos feito o "funeral" ao comunismo e falar dele como um erro do passado que não queremos que se repita e não usa-lo como forma de qualificar aqueles que têm outras opiniões.

Abraços

Contoselendas


De Júlio Moreno a 14 de Junho de 2013 às 20:02
Caro Amigo ContoseLendas:
Folgo em vê-lo de novo e sempre atento a quanto é polémico e, por via disso, momentoso. Eu é que, por questões de saúde me tenho arredado das minhas costumadas "azias" políticas. No entanto e em obediência a prescrições médicas que assim mo impõem dre vez em quando cá venho destilar um pouco da minha velha bilis acumulada ao longo destes setenta e sete anos que já lá vão!
Concordo consigo em que é necessário fazer o funeral ao comunismo. O pior é que ele insiste em fazer-se presente nas nossas vidas e sempre a procurar enredar as nossas desaquietadas mentes!
Bem haja pela sua prosa que leio sempre com agrado. Um abraço-


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds