Segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2011

Catástrofes

Catástrofes, como a que hoje, ao folhear uma revista, recordei por haver ensombrado o mundo no Haiti, fazem-me pensar em como é realmente efémera a existência humana e quão vazia e sem qualquer sentido ela deverá ser para os que não foram bafejados pela sorte de crerem verdadeiramente no Deus que lhes dará nova vida para além desta e da morte que para todos nós lhe sobrevirá um dia!

Com efeito, assistimos a um constante desfilar de notícias, de narrativas e, sobretudo, de números que, quanto a mim, longe de nos sensibilizarem e verdadeiramente nos mobilizarem já para a real dimensão do acontecido, nos transmitem uma estranha sensação de vácuo emocional e no qual vidas humanas assumem apenas uma dimensão estatística, de números e de nada mais.

Cem mil mortos ou duzentos mil passam a ser, para a generalidade de quem ouve ou lê, a mesmíssima coisa, mas a eles se agarram, com a avidez mórbida e própria dos abutres no deserto das emoções e dos sentimentos, os media e os seus fautores, lutando desesperadamente por serem os primeiros, já que não poderão ser os únicos, a “dar as últimas”… E, no rescaldo da tragédia, que denodadamente prolongam, exaurindo-lhes o sangue que ainda terão deixado por verter, vão surgindo outras notícias como a de “duas vidas retiradas dos escombros” ou duma “sexagenária encontrada viva após seis dias” de soterrada!

Poderei estar errado, muito errado até – admito-o – mas revolta-me o saber e ver que catástrofes como esta que ocorreu no Haiti possam mobilizar tão intensa e rapidamente tão vastos meios de socorro internacionais e os media do mundo inteiro e outras que, quotidiana e anonimamente, vão ocorrendo igualmente em todo o mundo também, pela sua pequeníssima dimensão – pelo que não constituem sequer notícia! – não despertem na mesma comunidade internacional as mesmas reacções e a mesma pronta capacidade de intervenção de que só nestas ocasiões parece ser capaz de dar provas.

Realmente, os milhões de “desabrigados” (não confundir com desalojados, o que seria quase um despautério!... ) os milhões de “desempregados”, os milhões de “doentes”, os milhões de “carentes de toda a ordem”, onde tem destacada primazia a “fome”,  tudo chagas sociais imensas que parecem infectar este belo mundo de alguns, brilhantes oradores políticos que despudoradamente vão mentindo aos povos que os sustentam, de bem sucedidos magnates da luxúria, os quais se designam hoje por “empresários” e “gestores”, de celebridades de coisa nenhuma  – devo referir que, nestes campos, sempre haverá excepções a a justificar a regra – nada disto parece incomodar a humanidade e os velozes e omnipresentes meios de comunicação social (como hoje se designam) que, perante tais factos, permanecem indolentemente indiferentes, aceitando-os como fatalmente imutáveis e fazendo irremediavelmente parte da já tão moralmente degradada condição humana… a mesma que, afinal, lhes vai alimentando os insaciáveis bolsos…

Daí a interrogação que me ponho: - qual a diferença entre o que aconteceu no Haiti e o que diariamente ocorre na Somália, no Senegal, na Índia, no Paquistão, no Afeganistão, na Palestina e em tantos, tantos outros pontos do globo e que, para além dos atentados suicidas e dos mais recentes actos de pirataria marítima, tão pouco parecem incomodar os influentes senhores do mundo em que, não fora a crença que me anima e pulsa no meu peito, bem pouca ou nenhuma vontade teria de viver!

É que a diferença será somente a da oportunidade no mercado das notícias que, relativamente a umas “renderá” e a outras não… Só isso.

publicado por Júlio Moreno às 00:54
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds