Segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2011

O euro - a moeda única europeia

Senhor Embaixador:

Com o desconto que sempre se deve dar aos leigos, ou melhor, àqueles que, como eu, se atrevem a meter a foice em seara alheia, gostaria de tomar alguns minutos do seu precioso tempo pedindo-lhe para me acompanhar nesta simplista e talvez infeliz análise:

- Voltámo-nos para a Europa, esquecendo o mar, fonte perene e inesgotável das nossas maiores conquistas e afirmações no Mundo, isto a fazer fé no que dizem e me ensinaram, quando à nossa frente tínhamos a vasta Espanha, inimiga antiga e donde os ventos e os casamentos nem sempre foram os melhores, os Pirinéus, tão difíceis de transpor como até de imaginar, e essa bela França, onde V.Exa. hoje nos representa, mas de onde partiram os exércitos de Napoleão que, durante alguns anos, nos tentaram submeter e subjugar embora quando por aí andei, de tal me esquecesse tão bem me sabia o “bordeaux” no saudoso acolhimento do “Au Bon’Amour”, restaurante que então visitava com alguma frequência.

- Voltámo-nos para a Europa e com ela veio o “euro” que, durante meses foi objecto de intensíssima propagando pseudo técnica e toda ela laboriosamente preparada no sentido de nos demonstrar que, a adopção da nova moeda, em nada viria alterar a nossa vida.

- Muitos acreditaram. Eu não. E não porque, entre outras coisas, cedo verifiquei que, tendo agora como moeda corrente de menor valor o cêntimo (dois escudos aproximadamente) nunca mais conseguiria comprar o que quer que fosse que só valesse um escudo – e havia ainda tantas coisas a esse preço!

- Claro que poderia comprar duas coisas (entraria no supérfluo talvez mesmo no sumptuário o que qualquer economista condenaria, se não pelo valor, pelo menos pelo acto em si) ou então deixaria de comprar o que pretendia já que o “vendedor”não teria troco para me dar que não fosse em espécie!

- Paralelamente – e como hoje tanto jeito nos faria e, ao tempo, seria previsível – deixámos de poder desvalorizar a moeda e de poder, dessa forma, fazer face ás crises económicas que surgissem como, no passado, tantas vezes tínhamos já feito sempre que as importações excediam as exportações.

- Simultaneamente, com este nosso jeito de sobrevalorizar o que é estrangeiro, desatámos a comprar, a preços europeus, mediante as facilidades que a Banca, fugazmente, nos proporcionou – insistindo em nos emprestar o guarda-chuva para, como dizem os ingleses, no-lo tirar logo que começasse a chover… - e lamentavelmente nos esquecendo de que os nossos salários continuavam sendo os nacionais, portugueses de sempre… (não para todos, entenda-se).

E aqui terminaria o meu temerário raciocínio se não me restasse ainda uma pergunta, pergunta essa para a qual não fui capaz de encontrar resposta satisfatoriamente convincente: - será que ganhámos ou perdemos com o “euro”?

Que a saída dele seria hoje catastrófica, disso, porém, não tenho a menor dúvida. Só que me parece que continuamos a voar num ultra-leve tendo-nos esquecido do pára-quedas para o caso de termos um acidente e, quanto ao que a mim respeita, de levar mesmo comigo quem, na ocasião, me empurrasse…

Com os meus agradecimentos, lhe peço desculpa pelo tempo que lhe roubei com tanta asneira junta…

 

///

 

Este foi o texto que escrevi na sequência do post do Embaixador Seixas da Costa, que seguidamente transcrevo, e que ele fez o favor de colocar no seu blog como comentário:

 

"Há quatro anos, quando vivia no Brasil, fui convidado para fazer uma palestra na universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Antes do evento, foi-me oferecido um almoço, por responsáveis e professores. A certo passo da refeição, um docente canadiano, atirou-me, de chofre:

"- A vossa zona euro está a dar sinais de degradação. A Alemanha e a França começam a não conseguir cumprir os critérios de convergência. Quantos anos mais Portugal conseguirá resistir, antes de ser forçado a abandonar a moeda única?

"Confesso que fiquei aturdido. Até então, nunca ninguém me tinha colocado semelhante questão, que, à época, me parecia sem o menor sentido.

Recordo-me bem do que respondi:

"- O custo que poderá representar, para Portugal, a tomada de medidas que venham a revelar-se necessárias para se manter na zona euro será sempre muito inferior àquele que o país teria de suportar se acaso viesse a ter de sobreviver fora dessa mesma zona, de regresso a uma moeda nacional.

O mundo deu, entretanto, muitas voltas e a discussão sobre a nossa posição face à "eurozona" anda agora por aí. Mas continuo a acreditar piamente na resposta que então dei.""

Postado por Francisco Seixas da Costa in http://duas-ou-tres.blogspot.com

publicado por Júlio Moreno às 22:18
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds