Sábado, 12 de Março de 2011

Deixar de fumar

Com o intervalo que uma pequena intervenção cirúrgica me determinou, retomo hoje esta minha escrita, verdadeiro escape destas minhas válvulas já algo emperradas, com um apontamento que gostaria de dar a conhecer: - o deixar de fumar.

São os médicos que me parecem menos interessados na natural tendência de agradar ao paciente aqueles que mais me convencem.

Na realidade já foi assim quando prometi a mim mesmo – e disso fiz uma grande publicidade na qual muito poucos acreditavam – que o médico que, “desinteressadamente”, e não “insistentemente”, me desaconselhasse de fumar seria aquele a quem eu iria obedecer.

Assim, um belo dia, feitas as rotineiras e semestrais análises e exames de rotina na clínica de onde era habitual cliente e após a verificação de uma das radiografias ao tórax, o médico que me observava chamando-me para junto dele, apontou-me uma das radiografias que tinha no expositor-visionador, dizendo:

- Vê esta mancha no seu pulmão direito?

- Sim, doutor, vejo… e vejo que é grande! – respondi.

- Pois é – concluiu ele, retirando a película do “écran” que a iluminara e dizendo-me, como se me desse os bons dias ou me perguntasse se estava a chover:

- Tem um enfisema pulmonar. Ele não irá regredir, antes terá tendência em aumentar. Se quer viver mais alguns anos tem de deixar de fumar... – e a consulta continuou normalmente tendo concluído que, em tudo o mais, me encontrava bem.

Fiquei a pensar no assunto e, uma vez regressado ao escritório e depois de chamar o, ao tempo, meu amigo e chefe do serviço de pessoal, disse-lhe:

- Sei que você fuma. Se quiser continuar a matar-se, ofereço-lhe este meu maço de cigarros, de onde poucos fumei, pois a partir deste momento deixo de fumar…

Estupefacto, pois já não era aquela a primeira vez que abordávamos tal assunto, apressou-se a segurar no maço de cigarros que eu lhe estendia e foi dizendo:

- Muito bem… eu guardo-o. Mas quando o quiser de volta é só pedir… - respondeu sorrindo.

Aproveitámos a ocasião para tratar de um ou dois assuntos pendentes após o que ele se retirou para o seu gabinete, levando consigo o maço de cigarros que eu lhe dera.

Desde esse momento até hoje, e já lá vão mais de vinte e cinco anos, nunca mais toquei num cigarro.

E querem saber uma coisa? Não me custou. Acho mesmo que poderei dizer que me não custou absolutamente nada… De um senão me recordo apenas: - quando, no restaurante ou em casa, findo o jantar, costumava tomar o meu café, sentia falta do meu brinquedo: - o isqueiro que ia revolvendo entre os meus dedos ao mesmo tempo que conversava ou via a televisão ficando algo enervado por não saber... o que fazer com as mãos!...…

Drogas e consultas especiais para deixar de fumar? Não acredito nisso. Uma opinião quase desinteressada de quem confiemos – sem dever de obediência como tantas vezes aconteceu com meu pai que, sendo médico, para o meu subconsciente era suspeito! – uma pitadinha de teimosia e uns escassos gramas de força de vontade e já está: - “vade retrum “cigarrorum””!

publicado por Júlio Moreno às 09:54
link | comentar | favorito
2 comentários:
De contoselendas a 16 de Março de 2011 às 00:37
Desejo uma recuperação rápida. Sobre cigarros nunca experimentei :) e espero nunca ter esse desejo que começa na muitas vezes na adolescência e ou juventude.

Abraços

Contoselendas


De Júlio Moreno a 16 de Março de 2011 às 10:03
Obrigado Contoselendas . Foi uma coisita sem importância (cataratas no olho direito, agora falta-me o esquerdo que dever ser em breve...) mas agradeço o seu cuidado. Quanto e cigarros, se nunca fumou, esqueça e, sobretudo, procure não fumar o fumo dos outros...
Abraços


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds