Domingo, 13 de Março de 2011

Nos bastidores da diplomacia (II)

 

Não negarei que demorei algum tempo – demasiado, talvez, para o Dr. Paulo Tacla – até chegar à conclusão de que devia comunicar ao General Spínola o contacto que havia tido, isto depois de ter descoberto que a minha pessoa lhe poderia ter sido indicada – facto que nunca confirmei -  tempos antes, por inconfidência de minha tia que, juntamente com um grupo de senhoras, entre as quais figuraria a mulher do então Embaixador do Brasil em Lisboa, todas as semanas se reuniam para tomarem chá e jogarem  “bridge”.  

Com efeito, depois de muito pensar, a minha decisão afirmativa havia sido tomada e como tal a comuniquei ao Dr. Paulo Tacla a quem confirmei ir entrar em contacto com o General para a Guiné e tentar obter dele o que eu supunha fosse da sua parte como que um princípio de aquiescência não obstante o inúmero conjunto de interrogações que, a meu ver, o General nos iria colocar.

Assim se iniciou um complexo diálogo entre Brasília e o General Spínola e durante o qual – sempre passando pelo Dr. Paulo Tacla e por mim - foram sendo discutidas e assentes as condições que ambas as partes propunham para que o projectado convite pudesse vir a ser aceite.

Regressado ao Brasil com as poucas informações de que ainda podia dispor mas onde avultava a predisposição do General em aceitar o convite, ouvido que fosse o parecer afirmativo do Presidente do Conselho Marcelo Caetano do qual, segundo me disse telefonicamente, não prescindiria, poucos pormenores restavam já por acordar não obstante e para mim permanecesse ainda muito nebuloso, senão mesmo omisso, o que me parecia ser o principal e por cujo esclarecimento veementemente insistia: - qual a razão de ser de tal iniciativa e o porquê a sua efectivação naquele momento e não depois, quando o General já tivesse terminado a sua comissão de serviço na Guiné.

Alguns meses entretanto se passaram, durante os quais o assunto parecia mantido em “banho-maria”, quando um novo telefonema do Dr. Tacla me anunciava o seu regresso a Lisboa pelo que, uma vez mais e, como anteriormente, solicitava a minha presença no Hotel Ritz.

Aprazada a reunião onde tive a oportunidade de conhecer uma alta patente da Armada brasileira aí me foi dada a conhecer qual a verdadeira motivação e urgência do convite. Encontrava-se nesse momento em discussão, e já muito próximo da fase última de conclusão, um novo Acordo Luso-Brasileiro e o Governo pretendia ter a certeza de que tal Acordo – cujos termos, e como é óbvio, eu desconhecia - nunca poderia vir a ser invocado para favorecer ou por qualquer modo apadrinhar a nossa guerra em África com a qual o País do “Ipiranga” nunca concordara nem poderia concordar.

- É por esta razão – confidenciou-me o militar que desta vez comigo passeava no vasto salão do Ritz – que queremos ter lá o vosso General pois ”é nele e só nele em quem o nosso País confia” (sic).

Estas simples palavras, que logo transmiti ao General numa das suas, quase imediatas, deslocações à metrópole em muito me tranquilizaram pelo que foi com renovado interesse que continuei seguindo os acontecimentos e cuja narrativa concluirei no próximo post deste paupérrimo blog.

publicado por Júlio Moreno às 18:29
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds