Terça-feira, 20 de Abril de 2010

Mais do mesmo…

Que não há fumo sem fogo, diz o povo e tem razão!


Ora, de há uns tempos a esta parte que notícias como esta que se segue vêm surgindo com amiudada incidência nas colunas dos jornais e da Internet em que Portugal surge apontado como um sério candidato a causar preocupações na dourada Europa da União e donde, muito provavelmente, virá a ser diplomaticamente convidado a sair.


Ruirá então, e com estrondo o célebre “é porreiro pá!...” e o Tratado de Lisboa passará a ser um punhado de folhas de papel sem o menor significado já que se revelará como mal querido por grande parte dos seus subscritores.


Sou um leigo em matéria de economia - sempre o disse - e as noções que dela possuo são as empíricas de qualquer merceeiro de bairro (dos de antanho e que hoje já não existem!) mas desde sempre que algo me foi dizendo que isto de a vidinha continuar a ser a portuguesa e os salários os europeus – para já não falar nos chorudos vencimentos daqueles que se aninharam em “panelas”, que já não se contentariam com os “tachos”, europeus - a produção ser cada vez menor, porque mais reivindicativos os sectores laborais com preponderância para a mão de obra indiferenciada e inqualificada da pequena indústria transformadora que possuíamos, a crescente competitividade dos novos países que subitamente surgiram no horizonte – a China e a Europa de leste – que nos levaram, qual visão messiânica, a criar o “Magalhães” e uma falsa cultura e adestramento técnico, para satisfação de viciadas estatísticas e constantemente contrariada pela realidade, salvo honradíssimas excepções, que isto de termos abandonado o mar e a visão Atlântica do futuro, fonte da nossa sobrevivência e da nossa implantação no mundo, para nos voltarmos para uma Europa cheia de manhas e vícios, calcorreada de séculos e um tanto artificialmente renascida das cinzas de uma guerra que para ela, e só para ela, através da tragédia, terá aportado alguns milagres – o que é comum já que a necessidade aguça o engenho – tudo isto poderia dar mau resultado e terá sido o maior erro que teremos cometido em séculos e séculos de alguma independência hoje transformada na maior e mais profunda das dependências com que, nos últimos tempos, poderíamos ter sonhado!


A corroborar o nosso pensamento ou, pelo menos, parecendo isso, as notícias que, qual fumo que nos vai tomando os pulmões e neles fazendo com que nos falte o ar sem que o verdadeiro fogo seja ainda visível, vão surgindo todos os dias.


E mais uma se nos oferece aqui colocar. É de hoje, fresquinha, da IOL:


"Inimigos do euro estão a revelar-se.


"Economista diz que há analistas que anseiam pelo fim do euro. Portugal é apontado a nível internacional como o maior problema da Zona Euro - PorRedacção - 2010-04-19 12:55 Portugal tem sido tema de conversa em todo o mundo, mas pelas piores razões. O FMI, economistas e jornalistas especializados já advertiram o país para os riscos da debilidade financeira nacional. Na opinião do economista da Informação de Mercados Financeiros (IMF), Filipe Garcia, «os inimigos do euro» estão a revelar-se e «usam todo o tipo de argumentos na sua cruzada». … As fragilidades da moeda única espelham a fragilidade de Portugal. Se é «verdade que a UEM enfrenta um sério desafio» também «há muitos analistas com vontade de ver o fim do euro e [que] tentam criar um ambiente que leve a esse objectivo». A economia nacional figura no topo da lista negra de países que mais contribuem para a instabilidade financeira e monetária da Zona Euro. E, de facto, não é a Grécia, mas sim o país mais periférico da Europa aquele que é apontado como o maior problema «existencial» da Zona Euro. O editor de Economia Internacional do jornal britânico «Telegraph», Evans-Pritchard, deixou, no entanto, uma ressalva, num artigo publicado naquele jornal: Portugal «não fez batota», como a Grécia, em relação ao défice orçamental. O «risco de falência económica» que paira sobre Portugal parece reunir consenso junto dos economistas. O norte-americano Nouriel Roubini já disse que alguns membros da Zona Euro, incluindo o território luso, «podem abandonar a união monetária». Isso, frisa, «seria enfraquecer o euro». Até o presidente da República, Cavaco Silva, já mostrou recear o «perigo de contágio grego». Nouriel Roubini já deu o alerta: «O euro pode não sobreviver». E a retirada de Portugal da União Económica Monetária já esteve mais longe de vir a concretizar-se.""


È o que penso, velho que sou, não do Restelo mas da raia fronteiriça e que melhores dias nos possa trazer uma eventual mudança…

publicado por Júlio Moreno às 10:24
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds