Quinta-feira, 15 de Novembro de 2012

As greves gerais…

 

Combustão viva: desprende luz e calor. Exemplo: gasolina em chamas.

Combustão lenta: não desprende luz. Exemplo: oxidação do ferro.””

(In Wikipedia)

 

Todavia ambas destroiem aquilo em que se manifestam e o resultado final são… cinzas!

 

Admito as greves porque estão consignadas na Constituição (a que temos!) e reconheço que “in extremis” serão o único meio de combate dos explorados contras os seus exploradores – como seria o dos escravos contra os esclavagistas e os seus chicotes -  isto quando outros meios lhes não assistam, o que não é o caso actualmente no nosso País.

 

Em vez desta brandura soeza da CGTP prefiro – eu que julgara nunca vir a dizer uma coisa destas! – a frontalidade paranoica de um Otelo sugerindo uma nova revolução. Com os meus 76 anos de idade ainda seria homem capaz de dar uns quantos tiritos com a velha “Mauser”, a espingarda de guerra do meu tempo!

 

A greve geral está para a sociedade como a combustão lenta está para o ferro que lenta mas inexoradamente acaba por destruir-la e reduzi-la a pó.

 

Será isto o que o Povo quer? Não, não é porque o Povo é sensato – “é sereno”, teria dito o saudoso almirante Pinheiro de Azevedo - muito embora pouco sensível e quase sempre crédulo perante as burlas do “conto do vigário”.

 

E alguém hoje terá dúvidas de que as teorias “comprovadamente falidas” do PC não passam de um conto do vigário? Apenas para enunciar algumas das razões que me levam a estas conclusões interrogo:

 

   1-      Quantas greves se fizeram na União Soviética durante o regime comunista?

   2-      Porque seria que o Povo, que tão bem vivia, tinha senhas de racionamento para se ir abastecer no dia-a-dia e nas prateleiras dos mercados     se não via um só produto ocidental sendo um sabonete que se oferecesse ou um um par de meias de nylon de senhora considerados presentes divinais?

   3-      Quantas vezes a “palavra” foi aí livremente utilizada sem que os que a usaram não tivessem ido parar à Sibéria?

   4-      Quantos Pasternaks não terão vivido e morrido na mais completa ignorância?

   5-      Quantos países vivendo as mais “amplas liberdades” se viram forçados a construir muros de Berlim?

   6-      Quantos generais e oficiais superiores do Exército inocentes foram mandados executar pelo criminoso Stalin?

   7-      Será que hoje já se vive bem em Cuba?

   8-      Será que o senhor Arménio Santos – cujas ladaínhas se adivinham mesmo antes de falar - sente as dificuldades económicas do Povo que diz proteger? E se sente porque não aparece em público vestido como um simples electricista que é, chefe de uma família em dificuldades, quiçá igual às que diz defender, mas antes se apresenta perante as câmaras da TV como um verdadeiro “senhor” para quem a vida nunca terá sido madrasta?

   9-      Ou será que o referido senhor já pensa no curso superior que o Partido, a notoriedade e a publicidade que rodeia o cargo lhe poderão proporcionar? E

   10-    … muitas mais questões poderiam ser aqui consideradas se a tanto me ajudassem “o engenho e a arte” além do espaço no blog, claro!…

 

Mas o País está em crise.

 

Não há trabalho e muito menos emprego, como dantes havia e se considerava.

 

As terras, cortadas que foram por auto-estradas por onde não circulam carros mas que serviram para separar populações e servem, como a outras “coisas”, às abençoadas PPP, estão abandonadas porque todos quiseram fugir dos campos para as invejáveis benesses das grandes cidades e o urbanismo desmedido foi crescendo ao mesmo ritmo a que cresciam as grandes fortunas, as colmeias suburbanas e as grandes guerras de influência.  

 

Assim e não havendo quem cultive os campos qualquer dia estaremos a comer “euros” salteados, gratinados ou com molho “béarnaise”… com a desvantagem de já serem muito poucos para pagar ao estrangeiro a comida que já não teremos.

 

Esta, a dívida e os enormes encargos em euros (aos milhões!) que, por acção dos governos que antecederam o actual (a quem incumbirá “apenas”pagá-los a tempo e horas como estipula o acordo assinado pelo PS, que o negociou, e pelos PPD e CDS-PP que o avalizaram)  constitue a luta em que o País se empenhou e que as greves gerais, portuárias e de comunicações rodoviárias e ferroviárias tão bem e tão rapidamente irão ajudar a resolver não só as liquidando como muito especialmente nos credibilizando perante eventuais investidores interessados no nosso soalheiro País situado entre os 30 e os 40 º de Latitude Norte.

 

Portanto vivam as greves, as manifestações e os insultos bem publicitados pela imprensa consciente e democraticamente livre. Assim o País estará a salvo isto porque uma mente como a minha entende que só uma autêntica revolução, com tiros, mortos e feridos, como algumas que acontecem no terceiro mundo, nos poderá salvar da desonra que o eventual incumprimento dos acordos feitos representaria e nunca uma berraria pública, uns cartazes mal escritos, umas estafadas ladaínhas e a sapientíssima sabedoria de certos politólogos comentaristas.

publicado por Júlio Moreno às 00:59
link | favorito
De contoselendas a 18 de Novembro de 2012 às 13:48
A verdade e ilusão democrática

É impossível negar que a massa oceânica dos pobres deste mundo, sendo geralmente chamada a eleger, não é nunca chamada a governar (os pobres nunca votariam num partido de pobres porque um partido de pobres não teria nada para prometer-lhes).

José Saramago in http://josesaramago.org/7504.html

Abraços

Contoselendas


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds