Domingo, 18 de Abril de 2010

Análise de alguns acontecimentos últimos...

Ao fim de algum tempo sem coragem para escrever o que quer que fosse, a quem quer que seja e sobre qualquer assunto, mesmo aqueles que, de algum modo, me poderiam trazer algum proveito, retomo hoje esta minha inconformada e impertinente veia literária para referir, ainda que telegraficamente, o que me vai na alma perante alguns dos mais relevantes acontecimentos recentes que me permitirei ordenar por ordem decrescente tendo em conta o modo como feriram ou, talvez melhor, como beliscaram a minha sensibilidade.


Assim e em primeiro lugar, registarei a abissal diferença de atitudes, diria mesmo de básica educação, exuberantemente demonstrada pelos Presidentes da República Portuguesa e da República Checa por ocasião do seu último encontro, na recentíssima visita oficial do primeiro ao histórico e heróico país do segundo.


Na realidade, enquanto o Presidente da República Checa, ao arrepio das mais elementares regras de educação, para não referir já as de protocolo e consuetudinariamente consagradas em diplomacia, se permitiu comentar e criticar, directamente, em público, perante o nosso Presidente e a comunicação social, a dificílima situação económico-financeira em que a “crise” e a longa governação “socrática” colocou o nosso País, usando de uma liberdade que circunstância alguma lhe permitiria ter usado para criticar de um modo algo jocoso e, por isso mesmo, bastante rude e contundente o nosso deficit de 8% quando em comparação com o do seu País, de apenas uns alegados 5%, o Presidente Cavaco Silva, mais uma vez demonstrando ser o “Senhor” a que já de há muito nos habituou, cumpriu o protocolo, respondendo como Presidente, tal como no momento enfatizou, intencionalmente ignorando o mal intencionado remoque de um pretensioso “catedrático” de economia e de um mal-educado cidadão checo.


Recordo-me, do pouco que sei de história, que, por muito menos e por muitas vezes, se cortaram as relações diplomáticas entre os países e guerras de ajuste de contas terão mesmo eclodido! Felizmente que vivemos no século XXI e temos um verdadeiro Presidente da República.


Em segundo lugar, ocorre-me referir que, em plena era de progresso científico e de “ganância” económica, ou economicista, como queiram, de prosperidade para alguns, como adiante irei referir, a mãe natureza – como se lhe referiu o nosso Presidente – se encarregou de fazer uma demonstração exuberante e prática de quão efémeras são as decisões e as vaidades humanas, literalmente reduzidas a pó e a cinzas, quando confrontadas com o seu, esse sim, esse autêntico, permanente e não efémero, poderio.


Refiro-me aos milhares de inocentes, vítimas das catástrofe mais recentes, como a que ocorreu na nossa querida ilha da Madeira e dos sucessivos terramotos que têm sucedido e cujo máximo expoente terá sido o do Haiti, bem como às recentíssimas erupções vulcânicas ocorridas na Islândia e que quase paralisaram a Europa bem-falante e de prósperas negociatas, ocupada em criar uma elite de pequenos monstros que, qual autómatos, tecnocratas isentos de alma e coração e, o que será bem pior, de carácter, em termos de mera solidariedade humana, se preocupam apenas em alcançar e ultrapassar os chamados “objectivos de gestão” fixados em “assembleias de gananciosos, a que também é costume chamar de accionistas” e, por via disso, se arrogam no direito de arrecadarem, só para si, os milhões que tanta falta fazem a milhares dos seus concidadãos, pertencentes a um Estado super-endividado e que pretensamente os orienta e governa cada vez mais num clima de miséria, que também é o seu, escandalosamente se esquecendo de que, se tais objectivos alcançaram, foi com o árduo trabalho daqueles que, no terreno - que não à secretária e em luxuosos gabinetes, com ar condicionado, e servidos por cérebros que, trabalhando por si, são pagos a peso de ouro e a que chamam assessores – foi com o árduo trabalho daqueles, dizíamos, que, no terreno labutaram, corporizando as suas “ordens” e que, exaustos e ao fim do dia, se foram contentando com as aguadas sopas que comeram depois de as repartirem com as suas mulheres e os seus filhos!


Para classificar tais comportamentos só encontro estas palavras: - vergonha e vergonhosos!


Finalmente, e como terceiro comentário de hoje, o único com o que talvez me alegre: - acabo de ler uma notícia, veiculada por esta Internet, de que também me vou servindo, sobre um célebre economista americano que terá vaticinado para Portugal, assim como para a Grécia e, quiçá, para outros bem aventurados povos que nos acompanhem no adeus a esta loucura europeísta – “tacho” de alguns e “má fortuna” para milhões – com a providencial saída do euro que, de fracasso em fracasso, porque tendencialmente contra-natura, acabará por ceder à única economia ocidental que, desde sempre, se bem que com os defeitos decorrentes da sua própria juventude em termos históricos de homens e de nações, logrou impor-se: - o dólar e os Estados Unidos da América à qual nos unimos pelo Atlântico que nunca deveríamos ter trocado por uns Pirinéus para além dos quais sempre se escondeu o ardil e a traição…

publicado por Júlio Moreno às 17:16
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds