Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2006

Conclusões a que fui chegando...

Fujamos dos homens que tudo o que sabem provém dos outros e que nada aprenderam por si e em si próprios. São os intelectocratas do nosso tempo que nos querem escravisar a procedimentos estáticos e estandardizados.


Ser solidário não é só partilhar o pão. É partilhar o sentimento na ausência desse mesmo pão.


O mundo está como está porque em 99% das vezes são os ricos a decidir do futuro dos pobres e só em 1% dos casos estes decidem do futuro dos ricos. Mas, para que tal aconteça, é sempre necessária uma revolução e uma revolução tem sempre resultados incertos: - primeiro, porque os ricos têm as armas e não a razão, o que os torna mais fortes e desumanos; segundo, porque os pobres, tendo a razão, não têm nem as armas nem a educação, o que os torna duplamente mais vulneráveis. E a uma revolução mal sucedida segue-se sempre uma repressão plena de sucesso.
publicado por Júlio Moreno às 11:44
link do post | comentar | favorito
Domingo, 12 de Fevereiro de 2006

Nem outra coisa seria de esperar dos dinamarqueses...

Tanto quanto eu os conheço, os dinamarqueses não são arruaceiros, quezilentos ou mal educados. Tanto quanto os conheço costumam ser irrepreensíveis no porte e no julgamento. Excepções, essas existem em qualquer lado sendo consabido que é a excepção que faz a regra. Não me admiro, portanto, destes 50 e tal por cento (que, se virmos bem as coisas, até podem ser bastante mais) a condenar o acto reprovável do seu rabiscador de desenhos.
O que me surpreende é que em Lisboa e, de um modo geral, em Portugal, haja mais “dinamarquesismo” que na Dinamarca! Certos portugueses parece que não se importam com o facto de se estarem a transformar no expoente do ridículo europeu. É o que acontece a quem a liberdade, talvez por nunca terem provado a sua restrição, sobe demasiadamente depressa à cabeça. Tal como o vinho ou a cerveja, tomam-na em excesso e o resultado vê-se.
publicado por Júlio Moreno às 22:41
link do post | comentar | favorito

Fico completamente atónito

(A propósito do manifesto que se pretende enviar ao MNE inserto nos comentários do PD de hoje, 12Fev06)

Fico completamente atónito com o que se passa: - querer falar de liberdades e sobre elas discorrer a quem as não conhece e as não entende!
Já vimos muçulmanos responsáveis, eruditos e cultos, que há muitos e felizmente que os há, aceitarem as desculpas e promoverem a paz e a concórdia, mas a massa, a enormíssima massa dos que nada têm a não ser o pó do deserto, essa não compreende porque não entende e como não entende não aceita.
Experimentem os doutos signatários do erudito manifesto falar dessa forma, ou noutra que entendam por mais adequada, mas igualmente dialéctica, segundo Kant, e tresandando sabedoria, ao leão que subitamente se lhes deparar no mato; experimentem apaziguar com falas eruditas e mansas como o seu nadar o tubarão que encontrem naquele aprazível e descuidado banho de mar.
Pode acontecer que nem o leão nem o tubarão os ataquem e, altaneira e pacificamente, se afastem por se não sentirem ameaçados. Mas bem pode ser que interpretem o vosso simples movimentar dos lábios no articular do vosso belo discurso como uma ameaça à sua integridade e logo se predisponham à luta com os únicos argumentos que conhecem: - a força, a violência!
Com isto não insultamos nem o leão nem o tubarão. Apenas e tão somente constatamos factos e, prudentemente, se algum dia os encontrarmos, procuraremos ter o discernimento bastante de não os provocar.
Eruditos signatários do documento em questão: - conduzir o problema aos níveis a que o fazem parece-me desonestidade intelectual e falência mental fazendo-me recordar a anedota do examinando que, aflito na sua ignorância, responde ao mestre que o interrogava, que burla a praticava ele nesse momento já que pretendia valer-se da sua ignorância para o prejudicar.
Sou livre, não sou? Esta é a minha inabalável opinião.
publicado por Júlio Moreno às 12:21
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 7 de Fevereiro de 2006

Não sou um particular admirador do Prof. Dr. Freitas do Amaral

Não sou um particular admirador do Prof. Dr. Freitas do Amaral como já o não fui de seu pai de quem guardo algumas amargas recordações. Desde os primórdios do CDS muitas vezes o critiquei pela ambiguidade das suas posições políticas. Sobre este assunto e neste momento, porém, tenho de dizer que concordo inteiramente com as suas palavras, poucas mas as bastantes para condenar o acto e, sobretudo para difundir doutrina que é o que faz falta para educar a malta.
Não há dúvida de que nos dias de hoje emerge, com a força inusitada do oportunismo e alicerçada no virtuosismo de alguns dialécticos do traço, da câmara digital e da palavra , um jornalismo sensacionalista de vão de escada e uns pretensos desenhadores de estados de alma os quais vislumbro, nos antros dos seus ateliers, numa incessante busca da originalidade seja a que preço for e resultando dessa azáfama uma obra medíocre, talvez prima daquela com que haviam sonhado e que, se não tiver o condão de logo inflamar os ânimos, como é agora o caso, cedo passará ao esquecimento já que nada tem que a conote sequer como uma obra.
E perante as liberdades que apregoam e de que tanto se arrogam, a pergunta surge-me, talvez infantilmente: - seria o rabiscador de desenhos dinamarquês capaz de dar à estampa uma obra de arte que mostrasse a sua progenitora – que, por desconhecida, teria forçosamente de ser legendada - a executar os actos que seguramente terá executado por forma a propiciarem a concepção e o nascimento de tão deslumbrante génio?
A liberdade poética de um idiota e a teimosa aleivosia de um democrata já fizeram seis mortos. Quantos mais se seguirão?
publicado por Júlio Moreno às 16:07
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds