Terça-feira, 26 de Agosto de 2008

Total, completa e bem acabada subversão de poderes!

Total, completa e bem acabada subversão de poderes!

É a filosofia socialista actual, (digo actual porque eu sou socialista do antigamente!) obsecada ainda com o “jeito” que as velhas polícias tinham (a Pide, por exemplo) em “metê-los” dentro mal ”eles” começassem, a pensar em efectuar qualquer “habilidade”, fosse ela um simples assalto, um homicídio ou a mera colocação de uma bombita num qualquer caixote do lixo ou num embrulho para entrega pessoal!

Na verdade, a polícia agia como se lhe impunha, com a força que a lei lhe concedia e apoiada por magistrados e políticos verdadeiramente conscientes das suas responsabilidades. A Polícia via-se nas ruas, para tranquilidade dos cidadãos a quem prestava útilíssimas informações e às quais hoje só os felizardos que possuem GPSs vão tendo acesso, enquanto são eles mesmos, “os polícias”, vigiados pelos delinquientes "sem fronteiras" nas suas repetitivas deambulações pelas áreas que lhes estão distribuídas, cada vez maiores, mais populosas e frequentadas pelos coitadinhos que acolhemos de braços abertos para mais facilmente poderem entrar na CE e porque são “desgraçadinhos” do quinto mundo - o terceiro e o quarto há muito que acabaram!

Depois ainda e para que nada faltasse neste quadro estranho em que se transformou o País, a estranhíssima figura do Inspector da Administração Interna, cargo criado para fazer o que compete ao Ministro e aos Comandos das respectivas Autoridades Policiais dele dependentes, já que o Ministro, cada vez mais absorvido pelos meandros de uma politiquice barata e de uma lógica de cordel, se vai como que escondendo num inexplicável segredo de justiça ou na inoportunidade política de prestar os esclarecimentos solicitados ao abrigo de uma falsa liberdade de informação pública que se criou depois do 25 de Abril em que um conjunto de militares, por outros motivos que não os de levarem a cabo uma verdadeira revolução mas antes para acautelarem as suas carreiras que viam ameaçadas pelos oficiais milicianos que, na guerra que não no Terreiro do paço ou no Rossio, lhes iam sobejando em mérito e valor, ultrapassando-os provavelmente nas respectivas e confortáveis carreiras, se viram, ao fim do dia com um País nos braços, País esse que, de tão bebé que era, não sabiam sequer como tratar e mudar a fralda para o que tiveram que ir apressadamente buscar o padrinho que lhes faltava e que nada teve a ver com o golpe de acaso que haviam levado a cabo. Esta a verdadeira génese do 25 de Abril que nunca vi ainda ser comentada por ninguém. Depois... depois e à medida em que as horas se iam passando e a “árvore” deixava cair ao chão os frutos realmente podres que ainda detinha, o golpe foi ganhamdo corpo e a revolução acabou por se dar e se afirmar como tal e hoje vem sendo reconhecida a aos quatro cantos do mundo proclamada!

E já agora, quem se não lembra da forma ríspida, desabrida e quase insultuosa como o então Presidente da República, Mário Soares se permitiu admoestar e ordenar que “se pusesse a andar dali” ao diligente guarda republicano que apenas procurava cumprir o que seriam as suas obrigações, facilitando-lhe a vida e zelando pela sua integridade física mas que ao mesmo tempo teriam o demérito de lhe ofuscar um pouco a exuberancia, por todos conhecida, da sua desmedida vaidade.

Garanto-vos que, se fora eu, o assunto não ficava por ali. O Ilustríssimo Senhor teria sido obrigado a retratar-se em público pela forma como me havia tratado porque (ainda bem) acima dele ainda há algo que a travar tais ímpetos de prepotência e, sobretudo, de má criação: - a Constituição e os cidadãos deste País!

E hoje? A que assistimos hoje, talvez já só agradecidos por nos deixarem viver ainda que bastante mal e cheios de fundamentados receios!

Assistimos a um corolário de mentiras e de jogos de bastidores de um bando de aventureiros que á mingua de terem valia nas respectivas actividades profissionais e porque Deus lhes deu o dom do “pio”, quero dizer, de falar em público qual feirantes tradicionais, mas sempre mentirosos, dando o dito por não dito, criando situações ambíguas para as quais sempre vão arranjando explicações, as mais das vezes ridículas, inconsistentes e completamente esfarrapadas mas com as quais vão enganando o Povo que se está nas tintas para quem os governa desde que não seja incomodado, verdadeiramente incomodado no que verdadeiramente os assanhe e custe porque aí, meus caros, é só ver os helicópteros no ar a levar daqui para fora aqueles que um dia julgaram poder enganar eternamente os portugueses! Vidé a então atrasada Roménia e os frutos que, por aquelas bandas, a política, como “arte ou ciência” de enganar um Povo foi dando...
publicado por Júlio Moreno às 11:23
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 25 de Agosto de 2008

Já viram como se educa hoje em dia?

12032661.jpg
Será que a imagem que estamos vendo não será um espelho perfeito da novíssima sociedade que o homem está criando para os dias de amanhã?

Como educar crianças e formar homens se a imagem (que vale mais do que mil palavras) é o que se vê quando não bem pior?

É a demência universal!...

Mas a culpa não é deles. Creio que será antes de quem os deixa por aí à solta! Minha, por exemplo...
publicado por Júlio Moreno às 09:52
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds