Sexta-feira, 14 de Agosto de 2009

Um texto solto…

Sou dos que acreditam… e acreditam firmemente, posso afiançá-lo, de que dentro de cada um de nós a Natureza (leia-se Deus) terá colocado um pequeníssimo “micro-ship” contendo a Constituição da República, o Código Penal, o Código Civil, o Código da Estrada, o Código da Civilidade e Boas Maneiras, enfim, toda uma infinidade de Códigos – a que vulgarmente se chamará “consciência” – os quais servem para orientar os nossos passos e ditar os nossos comportamentos ao longo da nossa vida e que, uma vez incumpridos nos seus essenciais ditames, logo uma luzinha se acende no nosso subconsciente alertando-nos para o que de menos certo ou totalmente errado e condenável estamos fazendo.

Infelizmente só a muito poucos – e mesmo a esses só para os confundir na sua aplicação prática e justificar, - quem sabe? - , surgiram as licenciaturas em direito – à qual fui em medíocre candidato – onde terá sido colocado o segundo “micro-ship”, aquele que faltava e que contém os Códigos de Processo os quais vêm complicar as coisas, tornando difícil de entender o que é, de si mesmo, intuitivo e de fácil percepção e, dando, assim, - quem sabe? - , aquela sensação falsa de segurança e de certeza a quem litiga e talvez a justificação que faltava para tornar cada vez mais aliciante uma profissão idónea, generosa e necessária como é a de advogado mas só para alguns, as do advogado de boas causas, daquele que “sabe” e “sente” à partida que a causa em que se empenha é justa e que a luta que vai travar será contra a extrema habilidade de certos “colegas” peritos em fugas por ruelas tortuosas, e escorregadias (a maior parte dos quais serão assessores ministeriais ou ministeriáveis), como são as que a lei, no seu porfiado esforço de tudo prever e tutelar (bem ao jeito português!) permite no seu espaço lacunar tantas vezes criado à custa dum esforço inglório de uma regulamentação “ab initio” condenado a ser ultrapassado pelos acontecimentos, pelos tempos, pelos hábitos e costumes, quando não pelas próprias prescrições!...

Vem tudo isto a propósito das mais do que estranhas leis que vejo germinarem e proliferarem neste pobre país, feliz que era aquando das históricas leis das sesmarias ou das proclamadas pelo velhíssimo João das Regras mas que hoje, para nosso descanso, o Presidente da República por vezes vai vetando ou constitucionalmente pondo em causa!

Vejo, um tanto assustado, que assim como existe um furor uterino, de tão difícil cura e imprevisíveis e nocivas consequências, como sabemos, também acaba de surgir um certo furor legislativo e para cuja cura só antevejo a clarividência presidencial ou a inclemente justiça constutucional.

Vejo actos que hoje se poderão “provar” sem prova – e do que justificadamente se queixam os notários - , vejo questões importantíssimas dirimidas ao sabor dos caprichos do “sistema” (informático, entenda-se) e temo pelo extraordinário e imprevisível incremento que a nova profissão dos “hackers” está tendo e irá ter cada vez mais, de tudo resultando que numa simples legislatura de 4 anos se foram esfumando certezas velhas de séculos e cimentadas ao longo destes por penosíssimas experiências pessoais.

Nada tenho contra a informática que, reconheço-o, é uma das mais proeminentes conquistas deste século, e que parcimoniosamente creio saber utilizar, mas sim contra o seu quase total domínio sobre a vida do cidadão, numa estonteante fobia de criação de coisas inúteis e só aparentemente úteis para alguns mas que, em boa verdade o não são, como esta do cartão do cidadão que não arranjou um espacinho sequer para nele colocar a filiação do titular, que, além de representar mais um elemento de identificação a meu ver bastante positivo, representaria uma simples mas modesta e, as mais das vezes, merecida homenagem aos seus progenitores que, desta forma, se ficam esquecidos nas profundezas de um “sistema” que muito poucos saberão como alcançar.

“Teclo” estas linhas, amigos, porque, não obstante os meus setenta e três anos me creio moderno e um pouco “informático”…
publicado por Júlio Moreno às 11:45
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds