Terça-feira, 18 de Novembro de 2008

O que provavelmente se estará a passar neste momento e algures neste País...

Na corte do gado, sob o sobrado da pequena casa rectangular, de um piso só e paredes de pedra solta, cuidadosamente postas umas sobre as outras mas, aqui e além, rematando pequenos orifícios com pedras mais pequenas, tinham recolhido já as duas vacas vindas do longínquo lameiro onde o dono as levara pela manhã e aonde as fora já buscar pois caía a noite que prometia ser fria neste Dezembro serrano.

As escadas, já muito desgastadas, cujos degaus já não oferecem segurança alguma e que, rangendo sob o peso do homem que as subia, conduziam, através de uma varanda de madeira, tipo alpendre, apoiada em sólidos barrotes que, sob ela, se cravavam na parede, a uma só porta, larga e sólida, de carvalho envelhecido e que, em nova, deveria ter sido bem robusta mas que agora apresentava já o desgaste dado pelo tempo e pela forçada incúria a que os seus donos a haviam já votado, incapazes de executar certas tarefas que requeriam grande esforço físico e não menos discernimento dada a ausência, quase total, de materiais e utensílios necessários a tal reparação.

Enegrecida pelo tempo e pelo fumo, já que era por ali que, quando o vento não estava de feição, se escapava a maior parte do fumo da lareira, entreaberta para dar passagem às pessoas e ao ar que iria permitir que dentro da casa se respirasse e vivesse, a porta rangeu também quando o homem, de grosso capote pelas costas e enxada ao ombro, por ela entrou dizendo:

- Maria, ò Maria, a “Malhada” está prenha e a “Russa” vai pelo mesmo caminho!... Já ambas me não deixaram ordenhá-las da forma do costume esta manhã... Encontrei no caminho o ti Roxo que levava o rebanho dele para casa e que me disse que hoje íamos ter por aqui uma frialdade do camandro pois o Camilo, o guarda florestal a quem encontrara no caminho, assim lho dissera há poucochinho quando com ele se cruzou...

Assim falando o homem fora entrando em casa em busca da mulher a quem se dirigira e com quem se casara havia já um rôr de tempo, tanto que os filhos, agora em França, já lhes haviam dado netos, hoje já crescidos e que por lá andavam nos estudos.

Procurando habituar-se melhor à escuridão da casa e se bem que estranhando o lume ainda apagado, voltou a chamar:

- Maria, ò Maria, onde estás tu mulher dum raio que te não vejo? Não fazes hoje a ceia?... Olha que é tempo... – e assim ladainhando e enxergando já melhor o caminho que fazia, andou uns passos mais na casa adentro sem que nela ouvisse som algum além do barulho que, no sobrado, iam fazendo as suas botas cardadas.

No seu peito, porém, ainda forte de ânimo mas de físico já mirrado, alguma coisa começou a alvoroçá-lo e a fazer com que o coração lhe batesse com mais força do que o habitual.

- Maria!... – repetiu já a mêdo enquanto atirava com o pesado capote para cima do banco do escano que estava montado tal como ao meio dia, depois de comer, o havia deixado, com panelas, canecas, louças e tudo, até o pão cujas migalhas espalhara pela mesa e que sempre eram aproveitadas para as galinhas...

E foi quando melhor firmou a vista no canto onde ela habitualmente se sentava, que a viu, caída, de bruços sobre a mesa por onde corria o lago de sangue que lhe brotava ainda da profunda ferida que ela tinha aberta na cabeça...

A sua Maria estava morta. Fora morta, momentos depois dele ter saído, pelos dois meliantes galhofeiros que ele por ali nunca tinha visto e que, de motoreta, com ele se cruzaram no caminho quando se dirigia, finda a merenda, ao lameiro para acompanhar as vacas e trazê-las novamente para casa...

Sem forças para mais nada do que para soerguer um pouco o corpo que em vida tanto amara e para quem vivera, e que apertou com a força que ainda lhe restava, deixou-se cair subitamente a seu lado e, pouco depois, com o levíssimo extertor de um corpo já cansado de viver, ele mesmo se finou ali, abraçado a ela, até que o Roxo, estranhando a sua ausência, e sentindo as vacas ainda na corte, decidiu subir a velha escada que rangia a cada degrau pisado e com eles deu no dia seguinte já à tardinha...

Na serra e naquela aldeia perdida nos seus contrafortes, dois rapazolas, só muitos meses mais tarde apanhados pala Guarda, haviam morto e feito morrer um casal de velhos que lhes rendera vinte e cinco euros e quarenta e cinco cêntimos, tanto quanto constava num papelinho escrito pela Maria e encontrado no fundo de uma lata, no quarto do outro lado do tabique de madeira, e que era o seu cofre-forte!

E foi assim que o meu País, todo este País e não só aquela escondida, despovoada e ignorada aldeia de montanha, sem que quase ninguém o notasse, ficou muito. muito mais pobre!
publicado por Júlio Moreno às 19:59
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds