Sábado, 15 de Novembro de 2008

RECORDAÇÕES DE UM PEQUENO ESTUDANTE DO LICEU... (1)

O que, sem maldade, me fez rir:


- Como habitualmente, findas as aulas, regressava a casa no eléctrico 17 que apanhava junto ao Liceu e me iria deixar, finda a minha viagem, na Senhora da Luz, na Foz, ao fundo da então chamada Rua do Gama que diariamente subia para chegar a casa.


O eléctrico, passada que era a Fonte da Moura e na longa recta que se estendia à sua frente dali até ao Castelo do Queijo, já na Foz, lançava-se em grande velocidade que, não raro, todos os guarda-freios aproveitavam, se calhar não só para fazerem o “gosto ao dedo” como também para recuperarem de alguns atrazos que porventura tivessem tido no seu, já então complexo, percurso urbano.


E foi precisamente na Fonte da Moura que aquele homem velhinho, de cabelo e fino bigode todo branco, tolhido e movendo-se com imensa dificuldade entrou, pelo que, eu e um colega, o ajudámos a subir para a plataforma traseira do carro eléctrico e daí para o pequeno degrau da porta de correr, sempre aberta, e que dava para o interior do carro.


Depois de, cortezmente, nos ter agradecido a gentileza que com ele tiveramos, sorrindo, o velhinho, rosadinho, elegantemente vestido e muito bem barbeado, preparava-se para caminhar ao longo da coxia central, por entre os bancos, em busca de um lugar na frente, dos muitos que havia vagos, isto quando o eléctrico já ia lançado a toda a velocidade como era hábito e acima referi.


Porém... azar dos azares!


Algo de inesperado fez com que o guarda-freio tivesse de fazer uma daquelas travagens a fundo pelo que tudo, mesmo quem ia sentado, foi projectado para a frente. E o velhinho, que teria acabado de dar o seu primeiro passo pela coxia em busca do seu lugar á vante, não se conseguindo segurar, começou a correr pelo estreito corredor só parando junto das portas da frente, estas sempre fechadas e que separavam a cabina dos passageiros da plataforma onde ia o guarda-freio, onde se agarrou pelo que conseguiu manter-se de pé.


Recordo ainda hoje o olhar surpreendido e circunspecto com que, chegado ao fim do corredor, ele olhou em redor e o seu olhar se fixou em nós que, inocentemente, ríamos da situação criada. E ele, espelhando no rosto um sereno e são sentido de grande humor, ofegante e ainda mal refeito da longa corrida que acabara de dar, comentou:


- Há muitos anos que não corria tanto!...


E não houve naquele eléctrico quem não se tivesse rido, como nós, mas com um riso de respeito, quase de ternura, por aquele homem, pequenino, frágil e velho, naturalmente simpático e alegre e a quem a vida deveria ter ensinado a aceitar, sorrindo, toda a qualquer adversidade...


Agora o que, sentidamente, me fez chorar:


- Noutro dia de inverno, corria o ano de 1969, o eléctrico dezassete parou no Castelo do Queijo onde já muitos eram então os eléctricos parados e os, ainda poucos, automóveis.


À nossa frente um mundo de gente envolvida em trajes negros, as mulheres com chailes sobre a cabeça, chorando e gritando desesperadas,aglomeravam-se na estrada junto ao mar e olhando para ele que mantinha ainda a forte ondulação da tempestade horrível que se verificara na noite aterior e que provocara o naufrágio de muitas traineiras de Matosinhos matando dezenas de heroicos pescadores,os destemidos lobos do mar e de quem tão poucos se lembram quando, à mesa, saboreiam um bom peixe fresco e sabendo a mar...


Curioso, com os meus treze anos, corri para ver o que se passava mas que o meu coração adivinhara já! E, com efeito, ali, quase junto à praia, entre o Castelo e o enorme paredão do porto de Leixões, já em Matosinhos, a ondulação, ainda forte, mostrava, a espaços, as dezenas de corpos que o mar agora devolvia à terra e que os respectivos coletes, que tinham envergados, mantinham e flutuar, aqui e além, as vagas ora os descobrimdo ora os tapando novamente, mas sempre os aprisionando no seu seio e sem deixar que ninguém deles se pudesse aproximar.


Silenciosamente, no meio daquele mar de gente de negro vestida e que nunca antes vira, senti que o ardor quente das lágrimas começavam a cair dos meus olhos e me escorriam pela face onde os esparsos pelos de uma insipiente barba começavam já a surgir aqui e ali... Não saberei dizer quanto tempo ali permaneci, só me recordo de ter chorado lágrimas de alma e, em chegado a casa, me ter refugiado no meu quarto onde permaneci sem nada fazer, apenas pensando amargurado, até à hora do jantar quando minha mãe me chamou porque, entretanto, meu pai já chegara do seu consultório depois de ter tratado e dado a esperança e a saúde que só ele sabia dar á sempre crescente infinidade de pacientes que o procuravam na Caixa de Previdência onde dava consultas das seis às sete mas aonde chegava sempre antes da hora e de onde saía sempre passando das nove...

publicado por Júlio Moreno às 13:51
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds