Sexta-feira, 4 de Janeiro de 2008

Foi interessante o sonho que tive…

O hospital onde era a consulta ficava num ermo onde era o único edifício e enorme. Depois de um portão onde a terra para, estacionar o meu carro que era o único, estava revolvida de fresco, como numa quinta e, nalguns locais, com sulcos tão profundos que era mesmo preciso contornar.

O médico que me atendia era uma médica. Eslava suponho, muito embora se esforçasse por falar um português o mais correctamente possível mas que, não o conseguindo, era perfeitamente inteligível.

Era uma mulher de uns trinta e poucos anos, estatura média, magra e de pele clara, mas morena, feições correctas e regulares, sem serem, no entanto, demasiado angulosas e rígidas revelavam, no entanto, uma docura difícil de descrever .. Usava o cabelo preso, muito liso na cabeça e descendo-lhe pelas costa num negro rabo de cavalo impecavelmente limpo e escovado que contrastava flagrantemente com a sua bata branca..

Era uma mulher bonita e cativante sem querer, no entanto, dar nas vistas o que, bem por certo, aconteceria se quisesse arranjar-se para um jantar à luz de velas para que fosse convidada

Enquanto cuidadosa e meticulosamente, me observava, ia falando de si e assim pude aperceber-me de que estaria em Portugal refugiada porque, sendo seu pai um general político no seu país, havia sido aí preso e condenado, com o que desaparecera havia muito tempo, desconhecendo ela mesma se ainda viveria.

Tinha uma filha, de 10 ou 11 anos, que, sendo particularmente rebelde, como ela fora, confessou-mo, lhe ia dando algumas preocupações. Tudo isto fez com que a consulta tivesse sido particularmente agradável e o tempo se passasse rapidamente.

Passada a prescrição fiquei de regressar passado algum tempo, intrigado, porém, com aquela mulher que tal curiosidade fizera despertar em mim.

No dia aprazado, regressei à consulta, verificando que tudo estava alterado. O portão fechado, a terra completamente revolvida, de modo a que só máquinas agrícolas ou veículos militares por lá poderiam passar.

De qualquer modo consegui parar o carro, outra vez o único, e subir as escadas que me conduziram ao labiríntico consultório. Ela lá estava. Risonha e feliz desta vez. Mais linda que antes, pois, de todo aquele rosto irradiava luz e sonho.

Observou-me com o mesmo cuidado e a mesma atenção mas ao termina-la, inesperadamente e com o maior dos à vontades cavalgou-me os joelhos sentando-se nas minhas pernas e, passando-me os braços pelos ombros e à volta do pescoço, disse-me baixinho: - Soube do meu pai. Está vivo e vai ser solto. Volto para a minha terra. Porque desde o primeiro momento senti que te amava, peço-te que venhas comigo, que passes tu a ser agora o emigrante…

Acordei na altura com um irritante som de um telemóvel para cuja hora, infelizmente, o programara na véspera…
publicado por Júlio Moreno às 13:34
link | comentar | favorito
1 comentário:
De contoselendas a 10 de Janeiro de 2008 às 11:37
Belo post. Desejo que este 2008 realize todos os seus sonhos.É bom sonhar. Um Abraço.

Contoselendas


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds