Segunda-feira, 29 de Janeiro de 2007

Dra. Ana Gomes: - a opinião dos mal esclarecidos…

E eu seria um deles. Ontem à noite, porém, tive a oportunidade de assistir à entrevista que a euro-deputada Dra. Ana Gomes deu na TV e por ela conclui do quão errado estaria acerca das minhas pré-concebidas noções de oportunismo político e do “querer-se protagonismo” a qualquer preço, como julguei ser o caso, igual, afinal, a tantos outros que diariamente vejo nos copiosos e contraditórios noticiários com que a nossa imprensa, falada, escrita e televisiva no mimoseia diariamente.

Ouvi-a e ouvi, como não podia deixar de ser, as perguntas que, a meu ver, por vezes um tanto capciosamente lhe eram feitas, e as respostas prontas, abertas, francas e lineares que a todas elas iam sendo dadas pela sua mente esclarecida.

A Dra. Ana Gomes revelou-se-me, assim, como uma mulher não só fulgurantemente inteligente como tenaz e capaz, profunda conhecedora dos assuntos em que se envolve (ou em que outros ou a própria força das circunstâncias a envolvem), digna, por certo, de ser melhor compreendida pelos milhares de portugueses que das suas posições vão discordando ou duvidando, como era o meu caso até ontem.

Sou socialista, não militante porque nunca me veria enredado nas teias de uma política com cujas veredas as mais das vezes não concordo e, por via disso, parecendo-me até com um homem de direita quando não mesmo de extrema-direita – os extremos tocam-se por vezes!

Neto de avós políticos e que, por via disso, pagaram com breves dias na prisão daqueles tempos a sua devoção à causa que abraçavam - a república – (também eu reatei a tradição familiar ao ser detido, arbitrariamente, e sem acusação nem julgamento, mantido preso por 254 dias, de 23 de Abril de 1975 a 23 de Dezembro do mesmo ano, o célebre verão quente de 75 e de tão triste memória!) - devo confessar que sei, porque desde menino o senti, o que é democracia, assim como sei que esta não se institui por decreto nem se ensina nas escolas sem que primeiro nos corra nas veias, herdada que terá de ser com os genes dos nossos ancestrais.

Sou socialista e não “sucialista” como a tantos vejo ser e desavergonhadamente comportarem-se quer na política quer nos mais simples actos da sua vida privada.

E sou um socialista que vivia em permanente conflito com a Dra. Ana Gomes por quanto sobre ela me era subliminarmente transmitido pelas notícias e comentários que até mim chegavam!

Ontem, porém, ao ver aquela mulher que, com tanta clareza e objectividade de pensamento e com tanta convicção pessoal assim se expressava, e ao melhor lhe conhecer o invejável “curriculum” e a extrema simplicidade dos seus desejos pessoais a par da tenacidade, diria mesmo que ferocidade, com que se dispôs e dispõe a defender aquilo em que mais acredita – uma justiça verdadeira e realmente igualitária – não pude deixar de me penitenciar pelo tempo em que perdi e em que, com tanto e gratuito empenho, contra ela estive, do que hoje aqui me penitencio ao render-lhe as minhas mais sinceras e sentidas homenagens pessoais e cívicas.

Não me conhece a Dra. Ana Gomes nem eu tenho o privilégio de a conhecer mas pode crer que, de ora em diante, tem em mim um dilecto admirador e um atento seguidor dos passos que sei continuará a dar em prol deste tão confuso como tão dilacerado país. Bem haja, minha senhora, e possam muitas mulheres que se dizem portuguesas e políticas, saber seguir-lhe tão magnífico exemplo.

Bem haja, pois, por quanto já fez e pelo muito mais que sei ainda fará!
publicado por Júlio Moreno às 13:28
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds