Sábado, 30 de Dezembro de 2006

Dois temas revoltantes: - a morte de 6 pescadores a 20 metros da costa e a execução de Sadam

Não há dúvida de que 2006 termina brilhantemente e com um brilho que ofusca mesmo os mais esplendorosos festivais em que o mundo tem sido tão pródigo ultimamente.

Refiro-me, como digo em título, à morte dos pescadores de Caxinas (Vila do Conde), que foram morrer à Nazaré, a 20 metros da praia, e ao “assassinato”, que ficará impune, (fui, sou e serei sempre contra a pena de morte) de mais um designado ditador, este apunhalado pelas costas por um “amigo”, com quem teria tido (como acontece nos meios mafiosos) negócios altamente lucrativos nos mundos do petróleo e do armamento; ex-amigo esse que, idiotamente que se passeia pelo Mundo dizendo asneiras, dichotes de mau gosto e sobretudo, porque sendo – num processo contestado e fraudulento, só possível num meio onde a par da política reine igualmente a corrupção e o mais hediondo jogo de interesses pessoais – colocado à frente dos destinos de um país de e que se julga a si mesmo, até pelo ar ridiculamente enfatuado com que o vemos caminhar, como sendo o mais poderoso do mundo e que, em abono da verdade, o resto do mundo teme e a ele se curva reverente e cobarde.

Mas em Portugal, país essencialmente marítimo, cheio de tradições e de heróis do mar, como canta Camões e o refere o próprio Hino Nacional, com uma fronteira marítima tão vasta quanto a terrestre, com um mar que todos sabem traiçoeiro como sempre o foi e com governantes ineptos, incapazes e que demonstram o mais profundo desprezo pela vida dos que bravamente nele labutam para, a troco de nada, lhes encherem as mesas onde, a pretexto disto e daquilo, tão frequentemente se banqueteiam com cocktails de camarão, lagosta suada, cherne grelhado…e outras delícias obtidas à custa da coragem dos que nele vão morrendo!

O helicóptero que deveria tê-los salvo estava, em estado de prontidão operacional, calmamente pousado no Montijo - basta ver um mapa para se ver que é mesmo ali ao lado! - e, a despeito de todos os procedimentos terem sido os adequados, como afirmam os “altos” responsáveis – faz-me lembrar o safari do Kénia, que esse nem ao local chegou! - chegou ao local do naufrágio 3 horas depois do alarme ter sido dado, e a um barco que, a 20 metros da praia, em zona onde habitualmente se banham os veraneantes, agonizava, voltado sobre um dos bordos e dentro dele sete homens lutavam pela vida. A um, ao mais resistente, ao mais forte mas também ao mais traumatizado e inconsolável hoje, só três horas depois o helicóptero conseguiu salvar; aos restantes, valentes como ele, mas que o mar conseguiu vencer, mais não restou do que a morte hoje tão frequente neste país de cobardes “democratas”e de sujos e oportunistas tecnocratas que vão prometendo ao povo ignorante e crédulo, a quem chuparam já quase o próprio tutano, aquilo que não querem, não podem ou não sabem dar.

No Inverno no mar, no Verão nas matas, o povo continua a sofrer na pele a criminosa ignorância dos prosadores políticos que nos governam e que, em chegada a altura da prestação de contas – que ou me engano muito ou já esteve mais longe – fugirão rapidamente de cena com o rabinho entre as pernas, repetindo até que a voz lhes doa: - eu não fui, eu não fui!...

Esquecem-se estes senhores de que foi um 25 de Abril que os conduziu aos cargos que hoje ocupam, mas esquecem igualmente que há mais dias no calendário e qualquer um deles se poderá tornar num novo 25 de Abril mas de características bem diferentes.

No Iraque, um Tribunal Revolucionário e um Governo fantoche, a soldo e mando do idiota que se proclama democrata a que acima já nos referimos, condena à morte um déspota, um ditador, mas nem por isso deixando de ser um ex-Chefe de Estado o qual, por decisão de um igualmente revolucionário tribunal, terá mandado cumprir a sentença que então condenava à morte 148 xiitas revoltosos.

Não haverá aqui uma chocante similitude de processos que, se recordarmos Nuremberga e o seu triste e ignominioso julgamento-farsa, e o passado do actual Presidente dos Estados Unidos, enquanto Governador de Estado, que nunca comutou uma só sentença de morte e “bestialmente” recusou todos os pedidos de clemência que sucessivamente lhe foram apresentados, disso se vangloriando até, esse mesmo Presidente que não tem vergonha de ter forjado uma monstruosa mentira para lançar uma guerra injusta, ilegal e sobretudo imoral e que, a cada dia que passa mais triste , perigosa, fratricida e de má memória se tornará ainda para um mundo inteiro onde lançou o caos, esse mesmo dito Presidente que se furtou a defender o seu próprio país na guerra que este travava e para onde foram, e morreram, tantos compatriotas seus – a guerra do Vietname – limitando a sua corajosa acção bélica ao calmo e prasenteiro patrulhamento aéreo das costas do seu país e mais ultimamente demonstrando a sua determinação, coragem e dotes de comando nas operações de socorro que pronta e imediatamente prestou às vítimas de New Orleans, onde nem sequer teve a coragem de ter ido!

Mas é a esta gente que devemos obediência, aos que se recusam a aceitar o protocolo de Quioto, e assim vão destruindo o planeta, e rejeitam, por medo, a sua própria submissão ao Tribunal Penal Internacional? É a esta gente que devemos respeito e obediência? Para quando um Tribunal Revolucionário Internacional que os julgue pelos “crimes” que quotidianamente cometem e dos quais até hoje vão ficando impunes? Para quando um mundo que seja governado por máquinas que não por homens já que estes se recusam a admitir que, qual balões coloridos que se escapam das mãos de uma criança, sobem no espaço e quanto mais alto sobem mais pequenos vão ficando!
publicado por Júlio Moreno às 14:03
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds