Domingo, 19 de Novembro de 2006

De 360 para 365 vão 5 que poderão fazer muita diferença!...

Do PD de 19Nov06: - "Ano bancário tem apenas 360 dias quando se trata de remunerar os depósitos. Para cobrar juros tem 365 dias. Secretário de Estado da Defesa do Consumidor diz que Governo vai travar esta prática."


Os portugueses já se terão, porventura, apercebido bem do quanto têm vindo a ser enxovalhados, ludibriados, burlados, roubados, expoliados, enfim (terei de ir ao dicionário verificar se há mais sinónimos que ilustrem esta minha revolta!) pela Banca, um negócio de séculos, é certo, e surgido para financiar as excentricidades da corte francesa, mas que mais não configura, as mais das vezes, senão o crime de usura previsto e punido no Código Penal e já algumas vezes por mim aqui denunciado nestas tristes linhas!


O governo vai acabar com esta prática, diz-se na notícia! Por certo que irá dizer aos senhores banqueiros "párem lá com isso que o Povo já se está a dar conta de muita coisa e essa será mais uma acha prá fogueira..."; mas logo o presidente da respectiva associação se levantará, em defesa dos "mais que legítimos" interesses seus e dos seus parceiros, para dizer que não, que nada poderá ser mudado quanto a tal prática uma vez que é lei "consuetudinária" e eles, bancos, sempre têm de ganhar alguma "coisinha"!


Amigos, se milhares de outras não bastassem, esta, só por si, seria situação deveras alarmante no que toca à voracidade, deslealdade e ganância dos poderes instituídos perante um Povo pacífico e ordeiro - quase que me apetecia por a letra "c" antes da palavra, e que parece que só não o ser nos campos de futebol e ultimamente nas suas relações com os professores!- e que, mercê da sua gloriosa incultura, da qual até parece fazer gala, se julga manietado pelos papões daqueles que se auto-elegem como seus lídimos representantes!


E tanto assim é que corre por aí a "graça" de todos se queixarem e, pelo que parece, aceitarem, de que em épocas de eleições todos descem à rua e demonstram numa extrovertida e desusada vivacidade a sua vontade de agradar ao Povo a quem cumprimentam, beijam e sabujam, tudo prometendo, para depois, já eleitos e no poder, se marimbarem para as promessas feitas, voltarem as costas, nunca mais o vendo, a esse mesmo Povo que neles confiou e se arvorarem em acérrimos defensores da "coisa pública" que, pelo que vemos nas sessões da Assembleia a que, pela TV temos assistido, mais não têm sido do que chicana públicamente esmerada, cheia de salamaleques e de Vossas Excelências mas que, se ocorrendo em qualquer taberna, acabaria bem e tantas vezes à chapada e requerendo a intervenção da GNR!


Ora os senhores da banca alimentam os senhores da política e mal vão as coisas quando desaguisados deste tipo surgem e vêm a lume! São discussões e mais discussões, polémicas e mais polémicas, razões e mais razões mas, na prática, tudo vai arrefecendo, com o fogo cada vez mais brando até que se extinguem as brasas, todo o lume se apaga e surge, assim, a verdadeira cinza em que o país vai vivendo e, por fim, o esquecimento...


Tanto se fala no consagrado poder independente dos Tribunais. Este é independente e, ao que parece e se ainda é como nos velhos tempos aprendi, tem "ex-ofício" o sagrado dever de investigar todas as fraudes, roubos e acções criminosas que ao seu conhecimento cheguem por via de queixa, denúncia ou rumor público. A noticia é um rumor público, uma vez que - quando a mim mal, está assegurado o princípio jornalístico do segredo das fontes, - mas os magistrados têm meios, e poderes, para chegarem onde não chegarão nunca os expoliados que ao longo de uma vida inteira pagaram 365 dias de juros aos bancos e deles só receberam 360!


O Governo vai intervir e resolver a situação! Vamos a ver como nos próximos capítulos...

publicado por Júlio Moreno às 12:01
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds