Sábado, 30 de Setembro de 2006

Para quando o fim desta vil e tenebrosa farsa?

Que me lembre foi só há poucos dias que ouvi pela primeira vez os generais falarem “grosso” nos Estados Unidos! Falaram mas, para além de algumas críticas de que a ainda estupefacta e tímida imprensa se fez eco, pouco mais sabemos do que realmente disseram ou, e isto é que me parece importante, do que pensaram dizer e talvez fazer.

O mundo, e não errarei muito se disser o mundo em toda a sua real, humana e geográfica dimensão, está cheio, está farto de um ditador, inculto, arrogante, de meia-tigela, como usa dizer-se em bom português, que teve o demérito de ganhar vergonhosamente e sem outra ilegitimidade que não seja a do aberrante método eleitoral americano umas eleições mais do que discutíveis isto depois de ter emergido praticamente de um nada bem pouco recomendável, sem nunca ter feito nada de real valor ou sequer servido a pátria como seu pai e tantos outros presidentes que o antecederam tiveram o mérito de fazer.

Tudo iria mudar, prometia. A América iria ser outra, dizia. O sonho americano iria regressar. E mudou de facto. E a América é, hoje, outra América. De País de liberdade e de futuro, tornou-se no país dos atentados, das restrições cívicas e do medo, a começar pelas crianças das escolas que um qualquer louco baleia e mata a seu bel-prazer; na realidade transformou-se na América das restrições da liberdade e do medo que um pouco por todo o lado a todos vai tolhendo e intimidando, enquanto o pavão ignorante e simiesco, com inusitado pendor belicista, vai mandando milhares e quem sabe se um dia milhões! de jóvens americanos para uma morte inglória e sem honra!

Porém, e aqui caber-me-á ser egoísta também, se ele mandasse apenas nos milhões de lá e que lá tem e que, por terem-no aceite como eleito, têm agora o dever de o suportar, ainda vá que não vá, seria um assunto só deles e eles que o resolvessem, como já uma vez resolveram na célebre guerra civil americana de tão triste memória mas que, como em muitos outros países, invariavelmente vão marcando o crescimento dos povos! Agora que se arrogue no poder de mandar nos outros, naqueles que não lhe reconhecem a mais ínfima parcela que seja de autoridade, que queira levar a sua doutrina à Europa, à Ásia, à África e à Oceânia, isso é levar longe demais o poder que julga possuir, alicerçado que está na utópica crença da invulnerabilidade das suas couraças, o que meia dízia de fanáticos suicidas se encarregaram de desmistificar matando milheres impunemente, e na eficiência das suas armas, o que, na verdade, não tem, conforme ficou amplamente demonstrado nas guerras em que se tem empenhado ultimamente, isto para já não recordar o fracasso e o pesadelo do Vietname onde os um velho e franzino general vietnamita, verdadeiro guerrilheiro dos nossos conturbados dias, soube impor ao povo americano a mais terrível e humilhante derrota que este jamais sofreu, é levar longe demais a sua presidencial e demencial vontade qual a de Nero incendiando Roma!

Todavia, contrariamente ao que daqui e destas linhas possa transparecer, eu não sou nem nunca fui anti-americano. Recordo a boa América e como amei a pátria dos que sonhavam e nela souberam concretizar esse sonho. Recordo a heróica América como a poderosa e decisiva aliada contra as forças do temível eixo do mal que germinou no mundo de 1939 a 45 entre a Alemanha hitleriana, a Itália do tresloucado e palavroso Mussolini e o Japão do traiçoeiro Hirohito. Recordo essa América que abrigou milhões de homens e mulheres de todo o mundo e a todos deu pão e tratou, quase sempre por igual, não fossem as seitas dos malditos KKK que se encarniçaram selvaticamente nas históricas lutas contra os negros, ás quais nós também, portugueses, como mercadores de escravos da África para o Brasil, também, não nos poderemos considerar de todo indemnes! Recordo essa América, respeito essa América e ainda acredito nessa América.

Daqui o apelo que faço, pois, a todos os americanos de boa vontade e amantes da paz, que não da guerra, aos honestos e não aos viciosos, que acabem de vez com esse tiranete que vos oprime e envergonha aos olhos de todo o mundo que só serve os seus inconfessados propósitos e façam com ele o mesmo julgamento que ele está fazendo com um outro ditador, este ás claras, o Sadam Hussain, seu grande e cordial amigo quando ambos mandavam que fossem terceiros a sujar as suas mãos no imundo petróleo de que se alimentavam e onde se atolaram!

Americanos! Afastem, julguem e condenem esse homem e o séquito que o rodeia e a paz que ele hoje proclama ao mundo e que, como o dia a dia o vem demonstrando, é a paz mais falsa e tenebrosa que já houve, talvez possa passar a ser então uma paz verdadeira e duradoura que, embora já não servindo a muitos de nós, possa, ao menos, servir aos nossos netos.
publicado por Júlio Moreno às 21:36
link | comentar | favorito
1 comentário:
De contoselendas a 2 de Outubro de 2006 às 00:33
Um regresso em força.Fico feliz por o "ver" de volta. Um abraço.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds