Terça-feira, 13 de Junho de 2006

A greve na Opel da Azambuja

Sou exactamente da opinião expressa nos comentários que leio condenando a greve na Azambuja. Ninguém contesta o direito à greve, consagrado, aliás, na nossa Constituição. O que não se entende é que se faça uma greve sem que haja nada para negociar. A greve é uma forma de pressão, uma arma poderosa, espécie de bomba atómica das relações de trabalho, e, como tal, só deve ser usada depois de muito bem ponderadas todas as circunstâncias e implicações, inclusive a longevidade possível da luta que com ela se inicia. Desta forma, diria mesmo que quase anárquica, é que não. Os senhores da Opel, que, como sabemos, são os senhores da General Motors, os mesmos que, com outros, se encontram por trás das guerras do petróleo e da feira de Wall Street, pouco se importam com a greve da Azambuja e, pressionados onde nada lhes dói, vão-se ficar a rir e os trabalhadores a chorar.

Problemas como este não podem nunca ser examinados por pretensos analistas de profissão, designem-se ou não por sindicalistas. Têm de ser decididos por técnicos competentes que saibam olhar muito para além da Azambuja, que saibam olhar para o País, que saibam prever e prevenir, o que, sem margem para quaisquer dúvidas, constitui tarefa que competirá ao Governo. E que faz o Governo? Há tempos afirmava-se empenhado em reduzir o risco, reduziu-o? Agora diz que irá buscar 30 milhões se a fábrica fechar! Milhões de quê, milhões porquê e milhões para quem? Não para os trabalhadores que nunca soube minimamente incentivar.

O problema das multinacionais que se instalam no nosso país (melhor dito, que se instalavam, porque as condições de leste são, por enquanto, muito mais atractivas) assenta fundamentalmente em dois pressupostos: seriedade e produtividade. A seriedade terá de ser provada e não se compra com benesses de milhões à custa de outros milhões e sem um modelo social de trabalho que satisfaça o trabalhador e o faça trabalhar com gosto e com dedicação; e a produtividade afere-se através do binómio custos de produção e preços possíveis do produto acabado perante a competitividade do respectivo mercado. Ora, não é com administrações e serviços não produtivos a custarem milhões que o Estado motiva e incentiva a força de trabalho nacional, diariamente confrontada com a injustiça social que, por si, é consentida quando não tacitamente apadrinhada. O governo e os ministros que dêem o exemplo de seriedade, contenção, austeridade e trabalho que o povo o seguirá. Salários europeus sem competitividade europeia é o mito que, a prevalecer, bem poderá conduzir à ruína de Portugal e dos portugueses.

publicado por Júlio Moreno às 22:15
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds