Segunda-feira, 12 de Junho de 2006

A cela

Era mais uma manhã em mais um dia seguinte…

Em roupa interior, sem lençóis e apenas com duas bafientas mantas de camarata militar, numa cama de ferro, estreita e dura, submetido às tensões que logo se imaginarão, quase não dormi naquela minha primeira noite na cela 37 do Forte de Caxias. Vencido pelo cansaço e confortado, embora, pelas exíguas condições existentes, devo ter adormecido lá para as tantas pois me recordo de um amanhecer estranho em casa desconhecida!

Não era pesadelo. Estava mesmo ali, numa cela penitenciária relativamente pequena mas bem iluminada por um enorme vão para o exterior, duplamente gradeado, por dentro e por fora, onde se moviam duas grandes janelas basculantes, uma em baixo e outra em cima, abrindo cada uma cerca de 40 cm. em relação ao seu alinhamento vertical, espaço mais do que suficiente para garantir um bom arejamento.

À minha esquerda, separado por uma pequena mesa-de-cabeceira de tipo hospitalar, havia outro catre, também de ferro, este vazio, sem roupa e apenas com um colchão ás riscas. À minha frente, logo à direita da porta, num espaço saliente criado na própria parede, um roupeiro largo, de madeira lisa e portas de correr, era continuado, à direita e no sentido da janela, por uma banqueta em marmorite que serviria de mesa para escrever ou tomar as refeições e à qual se juntava uma cadeira de ferro com assento e costas em grossas tábuas lisas de madeira.

Completava a cela uma pequena divisão interior onde se situava uma casa de banho completa, isto é, dotada de lavatório, sanita e chuveiro, com rebordo para suster a água e sistema misturador, e onde havia, quer de dia, quer de noite, água quente e água fria.

O pavimento era esverdeado, cor de azeitona, de cimento e completamente liso e, por isso mesmo, escorregadio quando molhado e propenso a criar imenso cotão proveniente das mantas. A porta, aparentemente de madeira, era de ferro, apoiada em sólidos gonzos, provida de uma pequena janela de comunicação de uns 15 x 15 cm, com abertura só pelo exterior, e de uma sólida fechadura cuja lingueta dava várias voltas.

A visão da janela limitava-se a um estreito pátio com uns dois metros de largura no qual se erguia um muro alto, branco e certamente espesso já que, sobre ele, o meu ângulo de visão me permitia divisar as polainas dos soldados da GNR que aí se deslocavam na sua missão de sentinela.

Aquele - não o sabia ainda ao acordar - iria ser o meu mundo durante os 15 dias que se seguiram, isolado e sem qualquer contacto com o exterior, nem mesmo com a família que, com o telefonema que fizera na véspera, tinha conseguido avisar. Os únicos contactos com seres vivos que me eram permitidos eram com os guardas carcereiros e com um simpático cachorro arraçado de perdigueiro que, pontualmente, comparecia às cinco da tarde, do lado de fora da janela, colocando as suas patas dianteiras sobre o parapeito, à espera das sobras, sempre existente, de uma comida de péssima qualidade.

Era o dia 24 de Abril de 1975. A prisão dera-se na véspera, a 23.

publicado por Júlio Moreno às 10:22
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds