Quarta-feira, 19 de Abril de 2006

O meu 25 de Abril

Do Portugal Diário da www.iol.pt:
“25 de Abril sempre
2006/04/14 | 17:57 || Judite França
«Aqui posto de comando...» Emitimos um especial sobre a Revolução. Há prémios, testes sobre o 25 de Abril, imagens históricas, filmes e música. É um regresso ao passado, com cravos para todos os gostos

“Passam 32 anos desde o dia em que, aos microfones do Rádio Clube Português, Joaquim Furtado leu o primeiro comunicado do MFA. «Aqui posto de comando do Movimento das Forças Armadas. As Forças Armadas portuguesas apelam a todos os habitantes da cidade de Lisboa no sentido de recolherem a suas casas, nas quais se devem conservar com a máxima calma. Esperamos sinceramente que a gravidade da hora que vivemos não seja tristemente assinalada por qualquer acidente pessoal, para o que apelamos para o bom senso dos comandos das forças militarizadas, no sentido de serem evitados quaisquer confrontos com as Forças Armadas (...)».””

O meu 25 de Abril

Três horas da manhã. Tudo em sossego em casa, em Oeiras. Toca o telefone… Pareceu-me que tocava mas cedo parou. Foi o ruído persistente de uma nova chamada que me acordou de vez. Informavam-me, da Companhia de Seguros Império, onde fazíamos vigilância, de que havia soldados armados a pretender entrar nas instalações… - São soldados mesmo? - indaguei surpreso. - Sim… estão armados e vem um oficial com eles. Dizem que querem tomar posição nas janelas que dão para o Largo do Carmo… Deixo-os entrar? - Oh! Homem de Deus! Se são soldados e estão armados como me diz, que quer fazer? Fazer-lhes frente? Claro que os deixa entrar… Tem mais notícias de outros lados? Informe a Central e diga-lhes que sigo já para a Companhia. Eles que contactem o pessoal da TAP que me liguem pelo rádio para o carro pois saio dentro de 5 minutos…

Passei por Paço de Arcos onde fui buscar um meu colaborador a casa. Ficou tão estupefacto quanto eu. Seguimos ambos e, durante o percurso pela marginal, Alto da Boa Viagem, Dafundo, Algés, Belém e Avenida Infante Santo, onde eram os escritórios, tudo calmo, ninguém na rua! Entretanto tinha já recebido a informação de que havia militares no aeroporto e nas instalações da RTP, EN e RCP, isto é, os pontos-chave tinham sido ocupados. Pela rádio do carro ia ouvindo os constantes comunicados do Movimento das Forças Armadas. Não havia dúvidas de que havia uma revolução em marcha…

Já na empresa, mandei telefonar a todo o pessoal de escritório para os informar de que deveriam permanecer em casa e de que ninguém deveria comparecer ao serviço. Ao pessoal vigilante que, no momento, se encontrava de serviço foram dadas instruções precisas de que em caso algum deveriam constituir obstáculo a qualquer acção militar armada mas que deveriam permanecer nos seus postos mesmo depois de rendidos pois seria de prever-se um generalizado estado de confusão nas ruas que bem poderia ser aproveitado para assaltos de ocasião. O mesmo foi mandado transmitir à Delegação do Porto.

No meu gabinete, onde se tinham concentrado alguns inspectores e graduados que, entretanto, foram chegando, pudemos acompanhar pela rádio, em FM, todos os movimentos de tropas que se desenrolavam algures no centro da cidade. Assim, pudemos ouvir distintamente, o Brigadeiro Reis, que comandava no terreno os militares pró-governo, sugerir a utilização de meios aéreos… Teria sido uma carnificina!

Foi só já no fim da tarde de 26 que regressei a casa e pude descansar um bocado. A revolução triunfara e o Marechal Spínola presidia à Junta de Salvação Nacional juntamente com outros velhos militares, Generais Costa Gomes e Silvério Marques do Exército, Galvão de Melo da Força Aérea e o Almirante Pinheiro de Azevedo, chamados à pressa pelos capitães que se viram subitamente com um país nos braços! O regime estava podre. Todos o sabiam. Por isso caiu sem tiros, tendo bastado apenas um abanão mais forte para que tudo se desmoronasse. A hora era de euforia generalizada.

Lembro-me de, na manhã de 27, quando, conduzindo pela marginal. a caminho de Lisboa, e olhando o Bugio, ter tido a mesma sensação que tinha quando viajava para o estrangeiro! Senti-me como que fora do meu país!... Seria um pressentimento? Talvez…

E digo talvez porque toda a esperança daqueles dias cedo se desvaneceu. A descolonização feita em África e em todo o ultramar foi uma vergonha, um crime de lesa-pátria, uma ignomínia e uma traição a quantos desde há séculos foram caindo por amor a Portugal! Ah! Se o Mouzinho ainda vivesse! Novos Gungunhanas, desta vez brancos, se ajoelhariam por certo a pedir o seu perdão!...

Assim, tomado que foi o poder por uma nova casta de políticos que, salvo raríssimas e honrosíssimas excepções, apenas se distinguem dos de antanho por serem mais descarados, mais ignorantes, mais palavrosos e em muito maior número, assistimos hoje à ruína do país e ao seu progressivo caminhar para o ponto em que se encontra: - à beira do abismo!

Ah! Já me esquecia de dizer que, entretanto, de 23 de Abril de 1975 a 23 de Dezembro do mesmo ano, por 8 meses (254 dias) fiz, no Forte de Caxias e na Penitenciária de Lisboa, um curso intensivo de vivência democrática com isso restabelecendo o que se poderá considerar uma tradição familiar já que ambos os meus avós, tanto o paterno, como o materno, ambos foram igualmente presos nos conturbados primórdios da República.
publicado por Júlio Moreno às 20:42
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds