Segunda-feira, 9 de Janeiro de 2006

As amplas liberdades...

“GNR: um dos militares atingidos tem bala alojada na coluna”


Dizem-me que sou saudosista e, por intencional extrapolação de alguns, que serei até reaccionário. Se quiserem e disso fizerem muita questão (os que pretensamente assim me agridem) sê-lo-ei, uma e outra coisa!


Desde menino que fui ensinado e pensar e a ser livre. Tradição familiar, que sempre o foi. Paguei já por isso, e repetidamente, tanto na antiga como nesta nova Era. Continuo a pagá-lo ao ler notícias como esta!


Enverguei um uniforme e creio que o soube dignificar, como o atestam algumas palavras de elogio que me foram dirigidas, dentre várias, as do saudoso Marechal António de Spínola, com quem tive a honra de servir e de privar de perto.


Como agente da autoridade, na GNR, tive de enfrentar algumas situações delicadas. De risco mesmo. Tais situações sempre existiram e sempre existirão. Só que nesses tempos, que recordo, sem as amplas liberdades que tão proclamadas são, havia trabalho, emprego e a segurança dos cidadãos existia. Isto era um facto. A lei era obedecida e a autoridade respeitada. Do Minho ao Algarve o país tinha fronteiras e não era qualquer facínora internacional que aqui entrava facilmente para roubar e matar com quase garantida impunidade e os nacionais, que sempre os houve, sabiam que a Autoridade era lesta e a Justiça tinha a mão pesada pelo que a pouco se atreviam. Cometeram-se excessos, e agora? Já não se cometem?


A publicidade fazia-se à farinha Amparo e à pasta dos dentes, ao detergente da louça e ao sabonete de maior suavidade e de mais fino aroma. Hoje a publicidade faz-se aos assaltos, aos assassinatos, às violações e aos atentados.


Assim como houve um Nero, um Napoleão, um Cromwell, um Hitler e um Stalin, entre muitos, hoje existe um Sadam, um Fidel e um Bush, para apenas referir alguns. Nas meias águas, ou nas meias tintas, não sendo nem carne nem peixe, ficarão muitos… a maior parte!


Pousámos na lua mas vivemos nela. Cultivamos a utopia como religião da liberdade. Choramos os mortos quando morrem e não choramos os vivos que morrerão em breve. A par dos santos, hoje veneramos a economia e a ela vamos sacrificando a nossa existência. À sua sombra proliferam injustiças e criam-se situações da mais flagrante violação de todos e quaisquer princípios de equidade social e moral. A competitividade passou a ser a lei a que devemos todos obediência. A irracionalidade impera. A ciência avança, ciclópica, e tudo ameaça converter e subverter em prol do que afirma serem os novos valores. A tecnologia avança e rouba postos de trabalho. O pai ignora o filho e o filho despreza o pai.


Que bom viver em liberdade!... Recordo, talvez a propósito, aquela pergunta tão pura, tão ingénua e sã que alguém, cansado de sofrer, terá formulado um dia, algures na antiga África portuguesa: - "Patrãozinho… quando é que acaba a independência?"
publicado por Júlio Moreno às 22:37
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds