Terça-feira, 31 de Maio de 2005

Fiquei de boca aberta!...

Acabo de ouvir o programa da Fátima Lopes, no "SIC DEZ HORAS" (são 12h00 desta segunda-feira, 30Mai05), e fiquei, positivamente, de boca aberta com o que ouvi ao Dr. António Marinho sobre privilégios e desaforos na Justiça portuguesa!... E não só na Justiça, como também em outros sectores da função pública deste nosso desgraçado país!

Será que o Dr. António Marinho, homem que eu reputo inteligente, consciente, honesto e destemido, veio ao programa despejar eventuais frustrações pessoais e dizer só mentiras? Será que não, que só disse verdades? Será que não disse só verdades nem só mentiras, e que apenas se deixou empolgar pelo discurso e pela sua naturalíssima repulsa, que será a minha e a de todos nós, perante a onda de avassaladoras poucas vergonhas que o país atravessa?

Será que há mesmo senhores a auferir duas reformas e ainda ordenados de deputados?

Será que há magistrados a auferir proventos, legais mas ilegítimos e a todos os títulos indevidos, pelo que, assim sendo, não se deveriam sentar nas poltronas dos juízes mas sim nos bancos dos réus!

Será que há magistrados cuja punição por mau desempenho ou conduta é a reforma compulsiva com a manutenção de todas as regalias económicas e sociais que auferiam à data da punição e que, por isso mesmo, muitas vezes a buscam e provocam?

Será que os senhores magistrados auferem de cuidados de saúde em clínicas privadas e não se encontram sujeitos às mesmas demoras, incertezas e vicissitudes de qualquer cidadão deste país?!

Será?!...

Perante isto, penso que o senhor Ministro da Justiça terá de vir a terreiro, E JÁ, dizer-nos que tudo isto não se passa assim, que se trata de exagero ou despeito do Dr. António Marinho, e que, de uma vez por todas, vai explicar-nos as situações ambíguas vindas de denunciar e quais as benesses de que, efectivamente, usufruem os senhores juízes deste país bem como quais os circunstancialismos que as rodeiam na sua aplicação prática.
Senhor ministro, todos seremos ouvidos atentos e esperamos os seus esclarecimentos...

E já agora, senhor Primeiro-Ministro, o senhor sabia disto? O senhor sabe disto? Que pensa fazer, senhor Primeiro Ministro, que vai fazer e para quando uma palavra de esclarecimento, mas que não seja política, ao povo que o elegeu? Uma palavra que não seja política, uma palavra que seja verdade e uma verdade que seja apenas e tão somente verdade pois verdades políticas, vontades políticas, responsabilidades políticas e políticas, de todos os tamanhos e feitios, manifestadas em discursos solenes e circunspectos, estamos todos sobejamente fartos!

E não se esqueçam, senhores juízes, senhores políticos e demais senhores que tanto defendem e protegem o povo que tão mansamente vão roubando, não se esqueçam de que, um belo dia, o povo, que é sereno!, poderá cansar-se da vossa protecção...

A ser exactamente assim e tal como disse o Dr. António Marinho para quem o quis ouvir, só me resta ficar de boca aberta e vir aqui dizer: - mas que refinada pouca vergonha!
publicado por Júlio Moreno às 12:15
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds