Quarta-feira, 21 de Abril de 2010

Não posso deixar de acompanhar este assunto

Não posso deixar de acompanhar este assunto porque, como creio que esteja a acontecer com a esmagadora maioria dos portugueses (mal ou incompletamente informados pelos nossos governantes), pressinto que algo de mau, de muito mau mesmo, se irá passar muito em breve.


Ouvindo ontem o “Plano Inclinado” e o Dr. Medina Carreira fiquei a saber que, no tempo da ditadura (leia-se Salazar), em plena guerra colonial, e com todos os encargos dela decorrentes, o peso “específico” do Estado na economia do País representava cerca de 13% e hoje, que a guerra acabou, como igualmente terá acabado tudo o que tivemos a “arte” de perder de quanto, ao longo de séculos, construíramos mercê da “descolonização exemplar de Mário Soares & Companhia, o mesmo peso específico do Estado ascende, na nossa economia actual, a mais de 50%!


Fiquei “pasmo” (como dentro em pouco o novo acordo ortográfico nos obrigará a dizer) e, por isso mesmo, numa tentativa de enquadramento actual de quanto tenho vindo a referir sobre este assunto, acrescentarei, sobre esta matéria, mais um excerto de notícia igualmente transcrito do material informativo do IOL de ontem e que, regular e diariamente, consulto.


Segue-se o texto, ficando as considerações que o mesmo possa suscitar para quem tenha a paciência de me ler: ...


“Portugal é a segunda maior ameaça à estabilidade da Zona Euro - Risco de contágio a outros países só é ultrapassado pelo da Grécia - PorRedacção PGM - 2010-04-20 14:53.


“Portugal é confirmadamente encarado como uma ameaça para a Zona Euro. No Relatório de Estabilidade Financeira do Fundo Monetário Internacional (FMI), o nosso país aparece como o segundo que mais ameaça a estabilidade da região. - O FMI explica que, na primeira fase da crise de dívida pública (entre Outubro de 2008, altura em que a crise rebentou e Março de 2009) os países que apresentavam maior risco de contágio ao resto da Zona Euro eram a Áustria, Irlanda, Itália e Holanda, por estarem mais expostas à Europa de Leste, devido a preocupações com o seu sistema bancário interno ou com problemas orçamentais.”


“Portugal no pódio do risco da dívida


“No entanto, a situação mudou e «na mais recente fase desta crise, Grécia, Portugal e, numa menor dimensão, Espanha e Itália tornaram-se nos países que apresentam maior risco de contágio em termos de dívida pública, reflectindo a alteração das preocupações do mercado das vulnerabilidades do sector financeiro para as vulnerabilidades orçamentais». - O FMI alerta ainda que, devido à estreita ligação entre o sector público e o sector bancário, a deterioração do risco da dívida pública pode rapidamente alastrar ao sector financeiro. - O Fundo considera por isso que os bancos devem reduzir mais a sua dependência do mercado de dívida, especialmente em termos de dívida de curto prazo, como parte do processo de desalavancagem. Com a retirada das ajudas do BCE ao sector, nomeadamente as injecções de liquidez, o FMI acredita que os spreads poderão sofrer alguma pressão de subida. - O Fundo diz mesmo que os bancos que não conseguirem reduzir a sua necessidade de financiamento ver-se-ão inevitavelmente envolvidos na guerra de captação de depósitos, que são uma fonte limitada de financiamento”.


“Portugal e Grécia não são comparáveis


“Apesar das conclusões do relatório, o director do Departamento Monetário e de Mercado de Capitais do FMI, José Viñals, disse à Reuters que «a Grécia é um caso especial e não podemos dizer que outros países estão na mesma situação». - Referindo-se a Portugal e Espanha, o responsável afirmou que «estes países têm instituições orçamentais sólidas e não têm as incertezas que a Grécia tem».


[Actualizada às 18:40 horas com declarações de José Viñals]””

publicado por Júlio Moreno às 11:27
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds