Quinta-feira, 25 de Novembro de 2010

Incrível! … Unbelievable! …

Acho que dizê-lo em português não chega! Torna-se banal!... É mesmo necessário que o diga na língua de Shakespeare para que soe ainda mais inacreditável … more and more unbelievable!

Estava a ouvir e, incrédulo, perguntava a mim mesmo se era realmente aquilo que ali mesmo, no televisor, à minha frente, se estaria a passar!

Dois governantes, um deles Ministro das Obras Públicas e o outro, Secretário de Estado da mesma pasta… Ambos do púlpito, ambos solenes, enfaticamente, embevecidos e voltados para uma costumeira assembleia de algumas dezenas de basbaques políticos – porque há, infelizmente, muitos mais basbaques do que esses que ali se viam! - debitavam, palavra por palavra, um e outro dando tudo de si mesmos, a mesma dircursata política em dó muito maior do que normalmente tem acontecido!

Sem valor algum, porque se mérito havia no texto que ambos liam, esse pertenceria por inteiro a outrem, ao "assessor de prosa" que o escrevinhara realmente, mas que não teria estatura profissional para o ler em público!... Tudo palavras, só palavras… como se alguém tivesse abanado um dicionário sobre algumas folhas de papel branco e aí se tivessem acumulado as palavras, as lindíssimas palavras, que dele iam caindo, entornadas, porque se soltavam das folhas abanadas…

Mas ler melhor do que aqueles senhores fizeram, dizer melhor, isso nem o grande João Villaret o faria! Foram grandes, foram brilhantes, não tonitruantes que a discursata não se prestava a isso, mas disseram claramente, compassadamente, a metrónomo e com o gesto mais apropriado a acompanhar-lhes a palavra! E que palavra! Que brilho, que elegância, que convicção!... Isto sim, meus amigos, isto sim!…  Isto é ser-se político e ser-se político português! A mais completa e total vacuidade sonoro-política.

E já agora aqui vos digo, e em primeira mão, um pequeno segredo recém-chegado dos bastidores: - estão já ambos contratados para a próxima época do Dona Maria onde será finalmente representada a tragicomédia “Socrates e o Nosso Destino” já de há muito anunciada mas que só agora irá ser levada à cena.

Porque sei que irá ser um êxito, nem quero pensar em poder não arranjar bilhete! Nem quero pensar nisso! Irei…Vou… Terei de ir, nem que seja para o galinheiro, o que até me dava jeito pois talvez aí soubesse onde eles tinham posto os ovos…

publicado por Júlio Moreno às 00:33
link | favorito
De contoselendas a 24 de Dezembro de 2010 às 02:13
O elefante acorrentado

Quando eu era pequeno, adorava o circo e aquilo de que mais gostava eram os animais. Cativava-me especialmente o elefante que, como vim a saber mais tarde, era também o animal preferido dos outros miúdos. Mas, depois da sua actuação e pouco antes de voltar para os bastidores, o elefante ficava sempre atado a uma pequena estaca cravada no solo, com uma corrente a agrilhoar-lhe uma das suas patas.

No entanto, a estaca não passava de um minúsculo pedaço de madeira enterrado uns centímetros no solo. E, embora a corrente fosse grossa e pesada, parecia-me óbvio que um ani­mal capaz de arrancar uma árvore pela raiz, com toda a sua força, facilmente se conseguiria libertar da estaca e fugir.

O mistério continua a parecer-me evidente.
O que é que o prende, então?
Porque é que não foge?

Quando eu tinha cinco ou seis anos, ainda acreditava na sabedoria dos mais velhos. Um dia, decidi questionar um professor, um padre e um tio sobre o mistério do elefante. Um deles explicou-me que o elefante não fugia porque era amestrado.

Fiz, então, a pergunta óbvia:
— Se é amestrado, porque é que o acorrentam?

Não me lembro de ter recebido uma resposta coerente. Com o passar do tempo, esqueci o mistério do elefante e da estaca e só o recordava quando me cruzava com outras pessoas que também já tinham feito essa pergunta.

Há uns anos, descobri que, felizmente para mim, alguém fora tão inteligente e sábio que encontrara a resposta:

O elefante do circo não foge porque esteve atado a uma estaca desde que era muito, muito pequeno.

Fechei os olhos e imaginei o indefeso elefante recém-nascido preso à estaca. Tenho a certeza de que naquela altura o elefantezinho puxou, esperneou e suou para se tentar libertar. E, apesar dos seus esforços, não conseguiu, porque aquela estaca era demasiado forte para ele.

Imaginei-o a adormecer, cansado, e a tentar novamente no dia seguinte, e no outro, e no outro… Até que, um dia, um dia terrível para a sua história, o animal aceitou a sua impotência e resignou-se com o seu destino.

Esse elefante enorme e poderoso, que vemos no circo, não foge porque, coitado, pensa que não é capaz de o fazer.

Tem gravada na memória a impotência que sentiu pouco depois de nascer.

E o pior é que nunca mais tornou a questionar seriamente essa recordação.

Jamais, jamais tentou pôr novamente à prova a sua força…


Jorge Bucay
Deixa-me que te conte. Os contos que me ensinaram a viver
Lisboa, Pergaminho, 2004

Um Feliz Natal e Um próspero Ano Novo.


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds