Sábado, 29 de Janeiro de 2011

Chegarei a alguma conclusão?

Não dou erros de ortografia e muito poucos de gramática. A escrita do que aqui escrevo, se bem que um tanto arrevesada para leitores lineares e simplistas, tem sido isenta, tanto quanto me parece, de graves erros de sintaxe. Venho abordando assuntos actuais e que me preocupam (e, como a mim, suponho que a alguns outros portugueses); procuro não disparar as frases como tiros, secas, directas ao assunto, cheias de pontos finais e, muitas vezes, tão desconexas entre si que só por um extraordinário esforço mental de interligação – o que me parece será a obrigação do próprio texto! – se tornarão compreensíveis e poderão, mesmo, fazer algum sentido; enfim… procuro escrever em português ( o que ainda em mim perdura do muito que me ensinaram!) mas o facto permanece, é constante e iniludível: - não tenho leitores!

Inicialmente pensei que se tratava só de ausência de comentários e que os leitores, ou por receio, ou pelo incómodo e comodismo em dissecar as minhas entrelinhas, ou até – perdoem-me a ousadia: – porque talvez não entendessem o que escrevo (iliteracia pura – termo que não encontro em dicionário algum mas que foi ganhando força e hoje se apresenta como neologismo dignificado pelos inúmeros inteligentes que o utilizam, assim como o “alavancar” - das economias, por ex. - como se diz hoje, mas verbo inexistente em português e que, nem no novíssimo e absurdo acordo ortográfico actual e onde, curiosamente, as águas correram da foz para a nascente! se poderá encontrar!)… - por tudo isto, eu tentei descer ao fundo do problema e concluir do verdadeiro “porquê” do que acontece tendo chegado, por fim, a uma dolorosa conclusão: - não sou um português de hoje! Vim de muitos séculos atrás, estou aqui por engano da natureza, desambientado no tempo, incoerente no pensamento, inconsequente e ignorante do mundo que me rodeia, das "play stations" e, o que será bem mais grave!, sem ser conhecedor das leis do futebol... agarrado apenas a isto que me vai servindo de consolo e de exercício manual - o meu teclado onde, em tempos idos, já terei mesmo chegado a escrever música para os ouvidos de alguém!...

Porque é um erro grave o que pratico, desculparei a muda ausência de tão “sui generis” censura e, marimbando-me para o que os outros lêem , entendem ou mesmo pensem, vou continuar a ser igual a mim mesmo e, sem me vender de corpo ou de espírito a um mundo que, afinal, nunca entenderei, tão longe ele se encontra daquele em que acredito e que julgo ser o meu.

Vou, pois, continuar a desabafar aqui as mágoas que me ferem, as angústias que me atormentam, as revoltas que me enfurecem e as alegrias que Deus e a vida me vão propiciando ainda…

Um dia, e esse dia já não virá longe, todo este amontoado de folhas de papel virtual nas quais escrevo virarão pó (como dizem lá do outro lado do mar os nossos irmãos brasileiros, amálgama de sangues e línguas  tão diversos e diversas que deles fazem, realmente, um povo novo!) essas folhas, dizia eu, virarão pó tal como ensinou a voz de Deus…

E nesse dia saberei que, na realidade, não vivi aqui e que por cá apenas terei passado...

publicado por Júlio Moreno às 11:50
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Mais uma vez mão amiga me...

. Um tristíssimo exemplo de...

. A greve como arma polític...

. A crise, o Congresso do P...

. O PRESIDENTE CAVACO SILVA

. Democracia à portuguesa

. ANTÓNIO JOSÉ SEGURO

. Cheguei a uma conclusão

. A grande contradição

. O jornalismo e a notícia ...

.arquivos

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.favorito

. Passos Coelho: A mentira ...

. Oásis

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds